Método pioneiro pode ser aliado para pacientes recuperados da covid-19

Dermatoglifia identifica potenciais musculares e pode ajudar na recuperação de intubados

Por Rachel Siston*

Método pode ser aliado na recuperação de pacientes que foram intubados
Método pode ser aliado na recuperação de pacientes que foram intubados -
Um método pioneiro que une a fonoaudiologia ao estudo das impressões digitais, pode ser um aliado de pacientes da covid-19 que foram intubados e vão precisar passar por tratamento para recuperar a fala. A dermatoglifia estuda as impressões digitais e, por meio delas, identifica potenciais musculares, que podem ajudar na elaboração de exercícios específicos para a recuperação dos afetados.

A ciência é estudada desde o início dos anos 1800 em síndromes genéticas e passou a ser utilizada na área do esporte, para identificar talentos motores, como pré-disposição para velocidade e resistência. Em 2017, o método foi relacionado pela primeira vez com a fonoaudiologia, em todo o mundo, a partir de um trabalho acadêmico da fonoaudióloga, especialista em voz e doutora em linguística, Cristiane Magacho.

A especialista conta que conheceu a dermatoglifia no fim de um mestrado, em 2007, que unia profissionais de várias áreas, e ficou tão interessada, que chegou a pensar em mudar o tema de sua tese. Porém, foi só anos mais tarde, em um doutorado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), que ela associou essa ciência à voz de cantores líricos e de musicais. Segundo a fonoaudióloga, que atende especialmente profissionais da voz, como cantores, dubladores e atores, o procedimento colabora para uma reabilitação mais rápida e até para o aprimoramento das capacidades vocais.

“Eu identifico os potenciais musculares dos pacientes para prescrever exercícios vocais. Se eu sei que ele tem pré-disposição para velocidade, resistência, coordenação motora, me ajuda na escolha dos exercícios. Vou entender o funcionamento da corda vocal e vou conhecer o potencial genético. O paciente vai receber alta mais rápido, no caso de rouquidão, calo nas cordas vocais, ou se ele procurar aprimoramento da voz, vai alcançar uma performance e condicionamento vocal muito mais rápido”, explica Magacho.

Assim como em profissionais da voz, os pacientes que se recuperaram do novo coronavírus também podem ser beneficiados pelo método. De acordo com a especialista, a intubação é feita pela laringe e o tubo de oxigênio vai até a traqueia, passando pelas cordas vocais, que podem ser danificadas, caso o paciente tenha pouca abertura da boca no momento do procedimento.

“Conhecendo o potencial genético do paciente, se trabalha melhor a respiração, a voz, baseado na identificação de potenciais musculares. Não é uma receita de bolo, é preciso avaliar caso a caso, mas a dermatoglifia é uma aliada para os pacientes reaprenderem a falar, porque vai conseguir traçar exercícios específicos para o que ele precisa e ir direto ao ponto.”

A dermatoglifia aliada à fonoaudiologia foi apresentada pela primeira vez em um congresso em Paris, na França, e o método já é utilizado por profissionais da área em todo o mundo. No Brasil, a doutora Cristiane Magacho capacita profissionais por meio de cursos e uma nova turma começa em setembro.
* Estagiária sob supervisão de Bete Nogueira

Galeria de Fotos

Método pode ser aliado na recuperação de pacientes que foram intubados Arquivo Pessoal
Método pode ser aliado na recuperação de pacientes que foram intubados Arquivo Pessoal
Método pode ser aliado na recuperação de pacientes que foram intubados Arquivo Pessoal

Comentários