Os psicólogos Gabriela Henrique e David Osmo, especialistas em Dependência Química, e a estudante de Pedagogia Luciana Lage, alcoolista em recuperação que milita na prevenção à doença - Divulgação / Abead
Os psicólogos Gabriela Henrique e David Osmo, especialistas em Dependência Química, e a estudante de Pedagogia Luciana Lage, alcoolista em recuperação que milita na prevenção à doençaDivulgação / Abead
Por Irma Lasmar
Niterói - Em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo, membros da Associação Brasileira dos Estudos do Álcool e Outras Drogas (Abead) realizam na noite da própria data, 18 de fevereiro, uma ação de conscientização nas redondezas dos bares do Jardim Icaraí e São Francisco. Entre eles estão os psicólogos Gabriela Henrique e David Osmo, especialistas em Dependência Química, e a estudante de Pedagogia Luciana Lage, alcoolista em recuperação que milita na prevenção à doença. Eles irão interagir com o público nas ruas próximas desses polos gastronômicos da cidade, oferecendo informação e colocando a associação à disposição para apoio psicossocial.
O índice de consumo de álcool no Brasil é mais alarmante do que o do uso de substâncias ilícitas, segundo o terceiro Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira, divulgado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) em 2019.
Publicidade
"O álcool é subestimado, as pessoas se esquecem que também é droga, apenas por ser uma substância lícita", alerta Luciana Lage. "Causa danos não apenas para quem desenvolve a dependência e sua família, mas à sociedade como um todo. Basta olhar as taxas de acidentes de trânsito e violência doméstica que o envolvem".
Entidade civil sem fins lucrativos com sede em Porto Alegre (RS), a Abead congrega profissionais e pesquisadores do campo da dependência química no Brasil, com afiliados e representações inclusive no exterior, atuando no campo da pesquisa científica sobre álcool, tabaco e outras drogas desde 1989. O quadro de associados da entidade é composto por psiquiatras, assistentes sociais, enfermeiros, advogados, líderes comunitários, consultores e professores. 
Publicidade
Um dos empresários do ramo de bares e restaurantes que apoiam a ação é Bruno Zambrotti, proprietário de um dos mais antigos estabelecimentos de São Francisco, que considera importante a conscientização aos problemas que o abuso do álcool e outras drogas pode gerar.
"Não só acredito no consumo consciente mas o estimulo. Inclusive, nas nossas ações promocionais que envolvem bebidas alcoólicas, procuramos sempre incluir uma garrafa de água para mostrar que o cliente bom não é o que mais bebe e sim o que sabe beber", assegura o empresário. "Um consumidor agressivo, além de prejuízos a si próprio, também pode causar danos ao ambiente coletivo".
Publicidade
 
Irma Lasmar <[email protected]>
Anexos15:21 (há 13 minutos)
 
 
 
 
 
Dia 18 de fevereiro é o Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo e amanhã à noite, nas redondezas dos bares do Jardim Icaraí e São Francisco, membros niteroienses da Associação Brasileira dos Estudos do Álcool e outras Drogas (ABEAD) realizarão uma ação de conscientização modesta, mas importante.

A ABEAD é uma associação que congrega profissionais e pesquisadores do campo da dependência química no Brasil, com afiliados e representações no exterior. O quadro de associados da entidade é composto por psiquiatras, assistentes sociais, enfermeiros, advogados, líderes comunitários, consultores e professores. Atuando no campo da pesquisa científica sobre álcool, tabaco e outras drogas desde 1989, a ABEAD é uma entidade civil, sem fins lucrativos, com sua sede estável em Porto Alegre.

Os psicólogos Gabriela Henrique e David Osmo, especialistas em Dependência Química, que atuam na cidade e a estudante de Pedagogia Luciana Lage, que atua na prevenção e do ponto de vista pessoal é uma alcoolista em recuperação, são alguns dos envolvidos na ação.

Bruno Zambrotti, proprietário de um dos mais antigos estabelecimentos em São Francisco, considera importante a conscientização aos problemas que o abuso pode gerar, pois um consumidor agressivo além de prejuízos a si próprio também pode causar danos ao ambiente coletivo: "Não só acredito, mas estimulo o consumo consciente. Inclusive, nas nossas ações promocionais que envolvem bebidas alcoólicas, procuramos sempre incluir uma garrafa de água para mostrar que o cliente bom não é o que mais bebe e sim o que sabe beber!"