Para esses pequenos, a mudança de valores foi enorme - Imagem Arquivo Pessoal
Para esses pequenos, a mudança de valores foi enormeImagem Arquivo Pessoal
Por Luciana Guimarães
Publicado 09/10/2020 11:33 | Atualizado 22/10/2020 20:40
Niterói - Maria Luiza de 7 anos aproveitou o reveillon para projetar para os pais o desejo de até o Natal desse ano ter por completa a coleção de bonecas favoritas. Passados dez meses, sete trancafiada, a doce menina almeja agora o simples e novo:
"Eu tenho tempo, tenho um monte de bonecas e não tenho vontade de brincar como antes. Fico olhando pra elas e querendo descer e andar de bicicleta, andar entre as árvores, correr. Poder ir ao Campo de São Bento. Eu não gostava tanto de ficar ao ar livre, e agora, sempre que meus pais me chamam me arrumo bem rapidinho.", ela conta rindo entre os comentários e sem perceber que é isso mesmo que estamos todos vivendo: uma requalificação do que nos contenta e nos deixa exultantes.
Publicidade
Com a capacidade de compreensão e abstração desenvolvida, é importante verificar o que crianças entenderam sobre o que receberam de notícias e quais são as suas principais preocupações e sentimentos em relação ao cenário atual. A maior crise sanitária do século já afetou a saúde mental e o estresse tóxico é uma das consequências. 
"Converso sempre com ela. Mostro que devemos ter cuidado, responsabilidade social e paciência para aguardar que a vacina chegue, que tudo melhore. Mas nessa idade, equilíbrio e serenidade são inabituais. E uma maneira de manter a esperança no ar é conversarmos sobre os desejos para o futuro e ela cada vez mais se revela reconfortada por ideias até então triviais como um banho de mar." relata Sávio Leandro, pai da menina.
Publicidade
Não se sabe quanto tempo tudo isso irá durar e quais serão as consequências sociais. Portanto, no momento, cabe a prevenção e transcorrer de forma serena. Para a pedagoga Danielle Littiere, a transformação de princípios foi inevitável: "Penso que as pessoas esqueceram o que realmente importa na formação de uma criança. Só trabalho era o que importava pois com ele vinham os recursos para coisas materiais como brinquedos e eletrônicos. Porém, com a pandemia esses valores foram repensados e começamos a reaprender a valorizar e ensinar nossos filhos a valorizarem o que realmente importa como família, brincadeiras ao ar livre e estar com os nossos amigos. E vimos que isso era bom.", ela afirma.
Miguel, de 9 anos, anda da sala para o quarto, do quarto pra varanda e vice versa, com a bola que ele costumava jogar com os amigos. As partidas ficaram na memória e o máximo que ele vivencia de futebol se resume aos jogos que imitam as amadas peladas no vídeo game, que nem precisa de mais opções: "Eu adorava esse jogo que leva a gente para dentro de um estádio. Mas eu jogava de vez em quando. Agora não tem mais graça. Eu quero mesmo é correr descalço na rua, fazer um gol e abraçar meus amigos. Estou com saudade do Horto do Fonseca."
Publicidade
A gente compartilha desse desejo, Miguel. Rever a família, amigos, até conhecidos se tornou artigo de luxo e aguardamos esses feitos com a ansiedade de quem pergunta naquela viagem de minutos no carro dos pais: "tá chegando?"
 As reações emocionais e comportamentais das crianças à pandemia ainda serão sentidas à longo prazo. Não há como prever o que futuramente esse isolamento e incerteza acarretaram. 
Publicidade
"As crianças estão suscetíveis às repercussões psicossociais da pandemia. A desigualdade social também determina diferentes níveis e condições de vulnerabilidade sobre a experiência da infância, de modo que os profissionais da saúde devem estar atentos às demandas de atenção e cuidado que se produzem nessa situação”. Essa é a reflexão proposta pela cartilha da série “Saúde Mental e Atenção Psicossocial na Pandemia Covid-19”, elaborada por pesquisadores colaboradores do do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (Cepedes/Fiocruz), sob coordenação de Débora Noal e Fabiana Damásio, diretora da Fiocruz Brasília.
São aspectos muito divergentes e que assolam os pequenos em dúvidas e incertezas, sabemos disso. Mas há de se considerar também que nunca uma geração ouviu tanto falar em de resiliência, solidariedade e compaixão. Com muitos pais perdendo o emprego, diminuição brusca da renda e a necessidade de se guardar dinheiro para um amanhã incerto, a mudança de paradigma infantil sobre o que é ou não um presente veio a calhar. 
Publicidade
A espevitada Ana Praia de 7 anos, adora percorrer o prédio onde mora perguntando aos vizinhos, principalmente os idosos, se eles precisam de ajuda: "Eu tenho um monte de vizinhos velhinhos e sei que eles não podem sair. Junto com minha mãe perguntamos se querem que a gente vá ao mercado, farmácia ou só damos um boa noite legal mesmo. Eu quero é ir na casa deles comer bolo."
Os pais tentam: investem em atividades lúdicas, brincadeiras, livros, filminhos, exercícios - os que são possíveis -, a vitamina D naquela frecha de sol que bate na varanda e um conjunto de escapatórias para que eles não sofram tanto. Marcella, mãe da pequena Nicole de 5 anos, aproveita as encomendas de bolo para chamar a pequena para ajudar e assim se distrair um pouco: "Ela é uma criança muito agitada e feliz. A pilha não acaba e imagine tanta energia presa em casa. Me desdobro pra fazer dessa rotina de confinamento algo menos desagradável."
Publicidade
Nicole brinca, mas não no que mais quer no dia 12 de outubro: "Quero que esse bichinho verde e feio vá embora. Quero que o mundo seja feliz de novo." E esse é um pedido e tanto.