Por thiago.antunes
Publicado 05/12/2013 23:43 | Atualizado 05/12/2013 23:44

Rio - Mesmo petistas que querem ver o partido fora do governo Sérgio Cabral admitem que o desembarque só deverá ocorrer em março, depois do Carnaval. Tudo por conta do pedido de adiamento da saída — uma ordem no PT — feito por Lula a Lindbergh Farias, pré-candidato ao Palácio Guanabara. 

No próximo dia 11, os dois voltarão a conversar e tudo indica que o ex-presidente manterá sua posição: morderá ao pedir para o PT-RJ retardar ao máximo o rompimento; assoprará ao garantir apoio à candidatura de Lindbergh.

Tempo precioso

Ao jogar água na fervura, Lula facilita a negociação com o PMDB em outros estados e ganha tempo para ver quais candidatos da base aliada terão mais chances de ganhar no Rio. Também deixa aberta a porta para um acordo, mesmo que no segundo turno.

O caso Molon

Alguns petistas temem que o PT nacional e prefeitos favoráveis a Pezão (PMDB) repitam com Lindbergh a fórmula aplicada em Alessandro Molon: ele foi candidato à Prefeitura em 2008 sem ter apoio concreto do partido.

Você pode gostar