Por paulo.gomes

Rio - O primeiro dia de funcionamento do Arco Metropolitano (RJ-109), que teve movimento de 2.694 veículos leves e pesados, segundo o Departamento de Estradas e Rodagem (DER), foi marcado por queixas de motoristas em relação à falta de sinalização adequada na via e no acesso a ela. Além disso, o trecho de 71,2 Km entre Duque de Caxias e Itaguaí, aberto nesta quarta-feira ao público, exige atenção redobrada dos condutores devido a obras em diversos pontos e animais nas laterais das pistas. O trânsito na via, no entanto, fluiu bem e não foram registrados engarrafamentos.

Ônibus faz conversão irregular entre as pistas do novo Arco Metropolitano em Itaguaí. Não há placas indicando que há retorno 2 km à frenteJosé Pedro Monteiro / Agência O Dia

Na véspera da inauguração, o governador Luiz Fernando Pezão explicou que a abertura antes da finalização completa da via evitaria mais acessos irregulares. “Muita gente estava acessando o arco irregularmente. Por isso decidimos inaugurá-la logo”, ressaltou. A próxima etapa será a reforma e duplicação da pista simples de 25 Km entre Magé e Manilha, de responsabilidade do governo federal.

“Achei a estrada maravilhosa, mas, por falta de placas, rodei 80 Km tentando achar a saída para a Via Dutra. Fui parar quase em Angra dos Reis”, lamentou o empresário Renato Santana, de 47 anos. Por falta de sinalização também, motoristas ficaram perdidos na entrada do arco, na BR-040, na altura de Duque de Caxias. Quem passava da confusa entrada, era obrigado a ir seis quilômetros à frente para retornar.

“Não dá para entender. Inauguram uma obra desse porte e se esquecem do básico: informação clara para quem dirige”, criticou José Carvalho, 56. A maioria das pessoas que utilizou o arco ontem, no entanto, elogiou a obra. “De Itaguaí a Caxias, gastei 40 minutos e ainda curti paisagens maravilhosas”, afirmou o bancário Josué Salazar de Freitas, 45. Em Seropédica, o viaduto construído com estrutura especial para preservar a minúscula Physalaemus soaresi (uma espécie de perereca em extinção de apenas 2 cm) e o peixe das nuvens (Leptolebias minimus), chamou a atenção. “Muito legal terem preservado este espaço”, comentou a engenheira Mariah de Souza, 27.

Renato Santana elogiou a rodovia%2C mas criticou a sinalização%3A 'Rodei 80 km tentando acessar a Dutra'José Pedro Monteiro / Agência O Dia

Telefone para fazer queixas

A Secretaria de Obras e o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), que opera a via, explicaram, em nota, que toda a infraestrutura foi implantada no trecho inaugurado. “Mas, se em determinado ponto da via for detectada falta de placa ou algum tipo de problema de sinalização, as providências serão imediatamente tomadas”, diz o texto. Para denúncias, dúvidas e reclamações, foi criada a Ouvidoria do Arco, pelo telefone 3242-1099, que aceita, inclusive, ligação a cobrar.

Nesta quarta, motoristas perdidos faziam retornos por cima do canteiro. Ernandes de Morais, 26, que conduzia um ônibus da empresa TDR, ficou com o veículo agarrado entre as duas pistas, ao tentar fazer a volta em local indevido. “Vi um monte de gente fazendo a conversão no local. E, como não tem sinalização, achei que fosse um retorno improvisado”, alegou Ernandes.

O Arco Metropolitano, que custou R$ 1,9 bilhão, terá, ao todo, 145 Km de extensão, do Porto de Itaguaí a Itaboraí, cortando oito cidades, quando totalmente concluído. Somente o trecho aberto ontem deve retirar 35 mil veículos, entre eles, 10 mil caminhões, das rodovias Presidente Dutra e Washington Luis, segundo estudo da Federação das Indústrias do Rio (Firjan).

Você pode gostar