Paes pede desculpas a aluno barrado com guias e prega respeito a religiões

Prefeito se encontrou o menino que foi proibido de entrar em escola no Grajaú por estar usando guias de candomblé

Por paulo.gomes

Rio - O prefeito do Rio Eduardo Paes esteve reunido nesta quarta-feira com o garoto de 12 anos, que teria sido vítima de discriminação religiosa em uma unidade da rede pública de ensino e sua mãe, Rita de Cássia Araújo. Na reunião que contou também com a presença da secretária municipal de Educação, Helena Bomeny e do advogado da família, Paes pediu desculpas ao garoto e a sua mãe pelo ocorrido.

"Temos um enorme orgulho da rede municipal de ensino. Mas existem episódios que não representam aquilo que a rede representa. Hoje eu pedi desculpas a criança pelo eventual erro que aconteceu. A secretaria respeita qualquer tipo de religião e qualquer coisa diferente disso é um erro".

O menino proibido de frequentar a escola%2C sua mãe Rita de Cássia Araújo e o advogado da família se reuniram com o prefeito Eduardo Paes e a secretária Helena BomenyAngélica Fernandes / Agência O Dia

Paes ainda lembrou que a sindicância foi aberta para investigar a conduta da diretoria da escola e que no final serão tomadas as medidas cabíveis.

O adolescente teve que deixar a Escola Municipal Francisco Campos, no Grajaú, porque a diretora havia avisado que não permitiria a presença dele usando guias ou quaisquer outros trajes característicos do candomblé. No dia 25 de agosto, o menino tentou voltar a frequentar as aulas, mas teria sido impedido, segundo a família.

Com as guias por baixo da camisa do uniforme, além de bermuda e boné brancos, ele teria sido proibido de entrar na escola pela diretora. A alegação dela, segundo a família, foi de que X. estava usando roupas fora do padrão adequado.

Após o episódio com a diretora da Francisco Campos, o aluno foi transferido para a Escola Municipal Panamá, também no Grajaú. “Fui bem recebido. Meus colegas me trataram bem e disseram que eu estava bonito com as guias. Fizeram algumas perguntas curiosas, mas respondi a tudo. Tenho muito orgulho da minha religião”, contou o menino, que ganhou tratamento especial até na merenda escolar.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia