Polícia afirma que líderes do tráfico da Formiga atuam de outras comunidades

Cinco adolescentes foram apreendidos nesta terça-feira durante operação que contou com 140 policiais. Menores agora ocupam funções de comando no comércio de drogas

Por paulo.gomes

Rio - Cerca de 140 homens, entre policiais civis e PMs da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) realizaram nesta terça-feira uma operação no Morro da Formiga, na Tijuca. Os agentes cumpriram 11 mandados de prisões, seis já estavam presos e cinco adolescentes foram apreendidos. A investigação teve início há cinco meses com a polícia fazendo o monitoramento e mapeamento dos traficantes que atuam na comunidade.

O delegado da 12ªDP (Copacabana)%2C Deoclécio Filho%2C e o comandante da UPP Formiga%2C Cap. Anderson Galvão%2C falaram na Cidade da Polícia sobre a operação no Morro da FormigaAlexandre Vieira / Agência O Dia

"Os líderes do tráfico não ficam na Formiga. Eles fazem toda a operação e dão ordens de outras comunidades", disse Deoclécio Filho, delegado da 12ªDP (Copacabana), que evitou revelar quais são esses locais de onde os criminosos dão as ordens.

O tráfico do Morro da Formiga, na Tijuca, está nas mãos de menores de idade. Segundo o delegado, na hierarquia do crime na comunidade, os adolescentes não ocupam somente o posto de ‘olheiros’, vigiando os passos dos policiais. Com os chefões do pó fora do morro, os adolescentes passaram a vender drogas, gerenciar as ações do bando e fazer a contabilidade do bando.

O delegado explicou que os traficantes da Formiga estão cada vez mais recrutando os adolescentes para servir ao tráfico. Os menores andam com poucas quantidades de drogas para dificultar o trabalho da polícia.Um dos menores apreendidos ontem foi identificado pela polícia por ter participado de um dos nove confrontos ocorridos entre militares e traficantes da Formiga desde a implantação da UPP, em 2010.

"Pelo modo como os traficantes trabalham, é muito difícil você efetuar os flagrantes. Os adolescentes andam com pouca quantidade da droga, que não são preparadas na Formiga. Elas vêm de outras comunidades", diz.

Além disso, a Polícia Civil conseguiu identificar que traficantes também continuam dando ordens dentro das prisões. Como é o caso de Alexandre dos Santos Oliveira, conhecido como Corujito, foi preso há três meses numa comunidade de São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

"Os presos conseguem passar informações para os traficantes na favela através de recados para familiares e amigos", afirma.

Desde que a UPP Formiga foi inaugurada, em 2010, já foram nove confrontos entre PMs e traficantes. Um desses menores apreendido nesta terça, foi identificado como tendo participação num desses tiroteios.

"Essas apreensões de hoje enfraquecem a organização do tráfico na comunidade. Além disso, é uma resposta a esses traficantes que querem manipular e cooptar esses menores, fazendo com que eles tenham fascínio pelo poder que o tráfico exerce na comunidade", afirma o comandante da UPP Formiga, Capitão Anderson Galvão.

Os detidos nesta operação responderão por trafico, associação ao tráfico, porte de armas e corrupção de menores. A ação desta terça-feira é corresponde a uma investigação que teve início em julho do ano passado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia