Mais Lidas

João Batista Damasceno: As cores do Brasil

É estarrecedor que um ministro semiletrado tenha recepcionado o ‘Projeto Alexandre Frota’ e o transformado em base para a Educação nacional

Por thiago.antunes

Rio - Nas escolas se ensina que o verde da bandeira brasileira representa as matas; o amarelo, o ouro; o azul, o céu, e o branco, o desejo de paz. Poucos brasileiros são capazes de dizer a cor das letras da frase positivista “Ordem e Progresso”, bem como a origem do termo criado por Augusto Comte, o fundador da Sociologia que o governo Temer, numa reforma da legislação sem prévio debate com a sociedade, suprimiu da formação estudantil.

É estarrecedor que um ministro semiletrado tenha recepcionado o ‘Projeto Alexandre Frota’ e o transformado em base para a Educação nacional. As cores da bandeira não representam o que muitos continuam a repetir ao longo da vida. Militares são ensinados a se enrolar nela e são infantilizados para não perceber em nome de que interesses dedicam suas inglórias vidas funcionais.

O retângulo verde é a representação da Casa Real de Bragança, da qual veio D. Pedro I, e o losango amarelo, da Casa Imperial de Habsburgo, da qual pertencia a Imperatriz Leopoldina.

A Casa de Habsburgo chegou a governar quase toda a Europa em certo período histórico. Mas era malvista pela realeza europeia, pois a acusavam de usar suas mulheres nas barganhas políticas. Esta prática se consolidou nas relações da elite política brasileira.

Quando da Revolução de 30, Getúlio Vargas interveio em todos os estados da federação e nomeou tenentes para os seus governos, exceto em Minas Gerais, onde reconheceu a validade da eleição de Olegário Maciel. Mas teve o cuidado de substituir as tropas trazendo militares da sua confiança oriundos do Rio Grande do Sul. Não faltaram tradicionais famílias mineiras promovendo o acasalamento de suas filhas com estes militares, a fim de se aliarem às hostes governistas.

Uma revista semanal de circulação nacional que está nas bancas noticia em sua capa: “Marcela Temer, a aposta do governo.” E complementa: “Com sua agenda de aparições nacionais, a jovem e bela primeira-dama vira a grande cartada do Palácio do Planalto para tirar a popularidade do atoleiro.”

É vergonhoso para o jornalismo o que está estampado. Será muito mais vergonhoso para o presidente golpista se efetivamente estiver usando a imagem de sua jovem mulher, “bela, recatada e do lar”, para alavancar popularidade na falta de um programa de governo.

João Batista Damasceno é doutor em Ciência Política e juiz de Direito

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia