Mais Lidas

Isabel Meireles Gomes: Mulher: prevenção e empoderamento

O caminho da igualdade de gêneros é longo. Muitos preconceitos precisam ser superados, inclusive entre nós mesmas: mulheres, esposas, mães

Por O Dia

Isabel Gomes
Isabel Gomes -

Rio - O Outubro Rosa visa conscientizar as mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e de colo do útero.

A iniciativa faz de outubro um mês de afirmação das mulheres e da força feminina. Por todo país, nós mulheres estamos lutando por direitos iguais, por salários iguais e por respeito.

Segundo o último censo do IBGE (2010), a proporção de mulheres x homens no Brasil era de 51,03% x 48,97%. Segundo o TSE, o eleitorado feminino representa 52,5% no Brasil; no Rio de Janeiro, esse número cresce para 53,64%. Até as últimas eleições, as mulheres ocupavam menos de 10% das vagas na Câmara Federal, com 45 deputadas, Na próxima legislatura, serão 77 mulheres deputadas federais, a maior bancada da história, com quase 15% das cadeiras.

Parte dessa luta por direitos iguais passa pela micropolítica: por tornar-se autônoma, menos dependente dos homens. Afinal, lugar de mulher é onde ela quiser.

Quando eu, mulher, portuguesa recém-chegada ao Brasil, assumi a direção de Marketing de uma empresa cujo público-cliente é composto, possivelmente por mais de 90% de homens, vi-me em um desafio: como ampliar o público feminino?

Porque nossa empresa trabalha com máquinas, ferramentas, materiais de construção e decoração que, não necessariamente, dizem respeito apenas aos homens. Principalmente no que tange ao acabamento, a decisão feminina é fundamental.

Por meio de pesquisa nas lojas, percebemos que havia um verdadeiro pânico em algumas mulheres em relação a máquinas e serviços que viam como sendo exclusivamente "de homens".

Nossa estratégia foi empoderar as mulheres, oferendo a elas cursos teóricos e práticos, treinamentos de um dia em pequenos reparos, consertos e instalações elétricas, hidráulicas, pintura, uso de ferramentas como furadeiras, lixadeira, parafusadeira, microretíficas e, mais recentemente, jardinagem.

As mulheres saem do curso com maior autonomia, qualificadas não só para o dia-a-dia, como, muitas vezes, com uma alternativa de emprego e renda, vendendo seus serviços para terceiros, amigas, vizinhas e o mercado em geral.

Não é à toa que cursos como "Mulheres à Obra" chegam em sua quarta edição com quase mil mulheres atendidas. E nada como inserir, durante o Outubro Rosa, alertas sobre como cuidar da saúde, principalmente na questão do câncer de mama e de colo de útero.

O caminho da igualdade de gêneros é longo. Muitos preconceitos precisam ser superados, inclusive entre nós mesmas: mulheres, esposas, mães. Como maioria da população e do eleitorado, nossa responsabilidade é grande, mas com cada uma fazendo a sua parte, continuaremos avançando inexoravelmente. E um mundo, onde a mulher tenha a mesma voz que o homem será, sem dúvidas, um lugar mais ético, mais justo e de mais afeto.

Isabel Meireles Gomes é diretora de Marketing do Palácio da Ferramenta

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários