Daniela Mendonça: O futuro do trabalho é ser ainda mais humano

De acordo com uma projeção do Senai e da CNI (Confederação Nacional da Indústria), a previsão para os próximos cinco a dez anos é a criação de 30 novas profissões em oito áreas diferentes

Por O Dia

Daniela Mendonça
Daniela Mendonça -
Rio - Melhorar a experiência do cliente é uma tarefa complexa. A transformação digital fez o nível de exigência dos consumidores subir. Para agradá-los, as empresas precisam inovar, otimizar processos, flexibilizar a operação e, sobretudo, cuidar bem de seus talentos – os de agora e os do futuro.

É fato que a automação vem mudando radicalmente a forma como trabalhamos. Algumas profissões já foram ou serão extintas. Outras tantas devem surgir em curto e médio prazo. Tem sido assim desde a primeira revolução industrial.

Sobram exemplos de carreiras “nascidas” há pouco tempo, como a de minerador de dados, técnico em telemedicina ou agroecólogo, profissional capaz de unir conhecimentos de sustentabilidade e agronomia, entre tantas outras. E já faltam pessoas capacitadas para ocupar as vagas disponíveis nessas áreas, que na maior parte dos casos oferecem remunerações bastante atraentes.

De acordo com uma projeção do Senai e da CNI (Confederação Nacional da Indústria), a previsão para os próximos cinco a dez anos é a criação de 30 novas profissões em oito áreas diferentes.

Ou seja, o mercado de trabalho está aquecido para novas carreiras. Então, qual o caminho para ocupar esses postos de trabalho? Infelizmente não existe resposta pronta; mas o primeiro passo, com certeza, é atualizar-se. Pensemos no exemplo dos profissionais de datilografia, que foram levados a reciclar seus conhecimentos quando os computadores passaram a ser usados em maior escala nas organizações.

Uma segunda sugestão: tenha múltiplas habilidades, mesmo as técnicas. Hoje em dia, não há mais lugar para hiperespecialistas em um único tema.

E o RH tem um papel fundamental na preparação das pessoas para esse cenário. Aliás, os profissionais da área precisam estar prontos para assumir a liderança dessas transformações nas empresas.

Dominar ferramentas como Big Data e People Analytics é pré-requisito básico para o profissional de RH de hoje e de amanhã. No entanto, a capacidade de comunicar-se de maneira humana com os colaboradores é e continuará sendo tão importante quanto o conhecimento das ferramentas tecnológicas.

Em outras palavras, o RH precisará manter conexões genuínas com as equipes para coletar indicadores e informações. Esses dados serão inseridos nas ferramentas tecnológicas, analisados e utilizados de forma estratégica para a tomada de decisão. É um ciclo virtuoso que reúne o melhor das tecnologias e das pessoas.

A transformação digital é um caminho sem volta, mas as habilidades técnicas e competências relacionais nos diferenciam das máquinas. Saber conciliar desses dois universos é a melhor alternativa para garantir um lugar no mercado de trabalho.

Daniela Mendonça é presidente da LG lugar de gente, empresa brasileira desenvolvedora de soluções de tecnologia para gestão de pessoas
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários