Luiza Elena do Valle: A grande conquista

O empresariado precisa se conscientizar da importância de se adaptar às questões de acessibilidade, porque é a mescla de pessoas e funções que enriquece o universo corporativo com o respeito pelas diferenças

Por O Dia

Luiza Elena Valle
Luiza Elena Valle -
Rio - Mudança se tornou tema comum. Parece traduzir uma insatisfação, mais do que uma conquista a buscar. Fala-se em mudanças, mas não se espera que aconteçam, o que é, em si, uma mudança para uma população reconhecida por sua resiliência, que se resume na definição: brasileiro não desiste nunca! Sim, é o otimismo como marca registrada pelo jeito criativo de se jogar para cima com as dificuldades, em vez de se derrubar com elas!

Mas, a gente amadurece... A gente olha em volta e vê um cenário incongruente com a alegria que nos identifica, enquanto povo tropical, de sangue quente e sorriso no rosto. Não é culpa das mais de 45 milhões de Pessoas com Deficiência (PCDs), o que representa cerca de 24% da população, conforme o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O que entristece é que, no mercado de trabalho elas são apenas 0,9% do total de carteiras assinadas.

É até possível reconhecer que essa realidade vem se rendendo a novas políticas de contratações das empresas. Houve um aumento de 3,8% em 2016 em comparação com o ano anterior, segundo o Ministério do Trabalho, mas são muitas as barreiras enfrentadas para que que as pessoas com deficiências consigam trabalhar.

Foi uma boa conquista a lei brasileira que determina que empresas com mais de 100 funcionários reservem de 2% a 5% das vagas para PCDs, mas a qualificação se mostra defasada desde a infância, com falta de oportunidades, de mecanismos de acessibilidade e pouca chance de ser visto como cidadão competente, pois isso depende de investimento no desenvolvimento dessas pessoas, como acontece com todas as outras. Curiosamente, incluir é promover o desenvolvimento de toda a sociedade. As pessoas com deficiência precisam progredir nos estudos para serem profissionais qualificados. O empresariado precisa se conscientizar da importância de se adaptar às questões de acessibilidade, porque é a mescla de pessoas e funções que enriquece o universo corporativo com o respeito pelas diferenças, que movem a sustentabilidade com o potencial de seus profissionais engajados e respeitados entre si. A tecnologia é uma aliada como ferramenta facilitadora e ponte entre a pessoa com deficiência e o Mercado de Trabalho. É sinal de um país completo! É uma grande conquista mudar vidas pela geração de oportunidades de sucesso!
Luiza Elena do Valle é psicóloga especialista em Gestão de Pessoas
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários