André Lima: AVC é a enfermidade que mais mata no Brasil

Próximo 29 de outubro é o Dia Mundial de Combate ao AVC. O Acidente Vascular Cerebral é a segunda causa de morte no mundo e é responsável por, em média, seis milhões óbitos a cada ano.

Por O Dia

opina2910
opina2910 -
Rio - Próximo 29 de outubro é o Dia Mundial de Combate ao AVC. O Acidente Vascular Cerebral é a segunda causa de morte no mundo e é responsável por, em média, seis milhões óbitos a cada ano. Segundo o Ministério da Saúde é a enfermidade que mais mata no Brasil, com mais de 100 mil vítimas fatais por ano. Especialistas apontam que nove em cada dez casos estão relacionados com fatores de risco que podem ser prevenidos, como hipertensão, obesidade, diabetes, colesterol alto, tabagismo e sedentarismo.

O AVC é uma alteração do fluxo sanguíneo dentro do cérebro. Cerca de 15% dos casos ocorrem por extravasamento de sangue em alguma região do cérebro, provocando um coágulo, esse é o AVC hemorrágico. Os outros 85% acontecem por falta de sangue em alguma região do cérebro, provocando o AVC Isquêmico.

O socorro imediato pode reduzir ou atenuar as sequelas . Até quatro horas após o início dos sintomas, o paciente tem 30% mais de chances de obter bons resultados. O tratamento do paciente consiste em medicação, dieta, fisioterapia, sessões de fonoaudiologia e de estimulação cognitiva.

Embora a maioria dos acidentes vasculares ocorra nas pessoas com mais de 65 anos (o risco é 30 a 50 por mil nesta faixa etária), hoje existe um aumento abrupto dos casos de AVC entre pessoas na casa dos 35 e 55 anos. As vítimas jovens de derrame se beneficiam mais do tratamento imediato. É importante que se conheça os sintomas iniciais que são perda súbita da força do braço ou perna de um lado do corpo; formigamento no rosto; dificuldade de falar; perda de visão repentina em um os nos dois olhos; dor de cabeça sem causa aparente e vertigem ou dificuldade de caminhar.

O AVC atinge mais o sexo masculino e está crescendo entre as mulheres, principalmente no período da menopausa. Uma pessoa que já teve o mal tem grandes chances de desenvolver novamente. É muito importante descobrir a causa do primeiro para prevenir o segundo, que na maioria dos casos, possui sequelas mais graves.

Uma pessoa que fuma tem 50% a mais de chance de ter um AVC, tanto o hemorrágico como o isquêmico. O risco de AVC aumenta por causa do efeito da nicotina, que forma placas nas paredes internas das artérias. Quando alguma placa se rompe pode ocorrer uma ruptura da parede da artéria fazendo um AVC hemorrágico. Mas estas placas podem aumentar tanto de tamanho que pode diminuir o fluxo de sangue em uma região do cérebro, fazendo assim uma isquemia cerebral.

Conscientizar a população sobre a importância da adoção de hábitos saudáveis no dia a dia é apenas o começo da prevenção. É preciso que a sociedade entenda que o tratamento da pressão alta, colesterol e diabetes são essenciais para manter-se sempre longe dos riscos do AVC. Entre os fatores preventivos, o fim do tabagismo e a adoção de uma alimentação saudável, com frutas, legumes, verduras e carnes brancas, somadas a prática de exercícios físicos.
*André Lima é neurologista e Diretor da Clinica Neurovida. Membro da Academia Brasileira de Neurologia.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

opina2910 arte o dia
André Lima Divulgação

Comentários