Vera Lins: A violência no Carnaval por trás das máscaras

Acredito que esses incidentes poderiam ser amenizados se as autoridades municipais e estaduais tomassem medidas simples, como por exemplo, cadastrar os integrantes desses grupos de bate-bolas bem antes do Carnaval

Por Vera Lins*

Vera Lins (vereadora)
Vera Lins (vereadora) -
O Carnaval carioca, uma festa que deveria ser marcada pela alegria e descontração das pessoas, acaba por vezes tornando-se palco de violentas batalhas envolvendo grupos de bate-bolas. Esses indivíduos, não todos, mas apenas uma pequena minoria que se utilizam do anonimato escondidos atrás de uma máscara, não estão ali para se divertir e sim para praticar atos de violência muitas vezes pré-agendados, e que acaba
culminando com a morte de inocentes como constatamos durante a folia de anos anteriores, onde a vida de adolescentes por vezes foram ceifadas sem motivo aparente.

Acredito que esses incidentes poderiam ser amenizados se as autoridades municipais e estaduais tomassem medidas simples, como por exemplo, cadastrar os integrantes desses grupos de bate-bolas ou Clóvis, como também são conhecidos, bem antes do Carnaval, facilitando dessa maneira sua identificação, já que esses grupos marcam verdadeiras batalhas campais através da internet com local e hora determinada para se enfrentarem. O cadastro poderia ser feito na região administrativa local, na delegacia de polícia ou batalhão da Polícia Militar responsável pela área. Outra medida, talvez desagradável mas de grande valia, seria proibir definitivamente o uso de máscaras pelos seus integrantes.

Creio que essas iniciativas não iriam inibir nenhum tipo de manifestação cultural que fosse realizada na cidade, mas sim contribuir no "quesito segurança" para que todos, sejam moradores do Rio ou turistas, se sentissem bem mais seguros para circular pelos bairros sem o medo de se verem envolvidos no meio de um conflito entre verdadeiras "gangs" de mascarados, cujo único objetivo é o de levar terror para as ruas durante o reinado de Momo.

Para ser colocada em prática, a ideia depende apenas da boa vontade de nossas autoridades, pois só assim, cidadãos de bem como você, estarão livres de ler no dia seguinte nas páginas de jornais, notícias tristes de jovens vítimas de atos de violência de pessoas covardes que se escondem atrás de máscaras, máscaras essas que ao caírem revelam a verdadeira índole de cada um.

*Vera Lins é vereadora e presidente da Comissão de Defesa do Consumidor
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários