Sergio Arthur Ribeiro da Silva: Educação profissional: o fim pelos meios

Dentro ou fora da sala de aula, o Senac RJ é protagonista de um mercado de potenciais explorados parcialmente no Brasil

Por Sergio Arthur Ribeiro da Silva*

OPINA17MAR
OPINA17MAR -
Diante dos desafios vividos hoje no país, em geral, e no estado do Rio de Janeiro, em particular, alguns analistas já rotulam esta segunda década do Séc. XXI como “década perdida”. Baixo crescimento, desemprego elevado, dificuldades nas contas governamentais, com impacto na infraestrutura e nos serviços públicos, segundo eles, justificariam essa classificação. Não para o Senac RJ.

Esse tem sido um período de grandes transformações para essa jovem instituição de 74 anos, que se acostumou a se reinventar para atender às necessidades das empresas do comércio de bens, serviços e turismo fluminense. A literatura especializada e o senso comum veem na educação as bases para o desenvolvimento de uma sociedade. Educar para o trabalho é a Missão do Senac RJ.

Ainda assim, acrescentamos uma etapa a esse processo. Acompanhamos nosso aluno mesmo após a formatura. O Banco de Oportunidades é nossa plataforma de intermediação de mão-de-obra, com o objetivo de ampliar as condições de geração de renda e empregabilidade dos alunos – que tem crescido a despeito da conjuntura e hoje está em 67%. Pelo serviço, gratuito, as empresas divulgam suas vagas, compõem seus quadros com profissionais capacitados e os alunos se (re)colocam no mercado de trabalho.

Em 2019, realizamos 1ª Feira Virtual Senac RJ, uma plataforma via Web que permitiu a interação entre estudantes e empresas. Foram mais de 1.300 oportunidades de emprego e estágio, 16 mil visitantes e 45 mil candidaturas. Neste ano, a 2ª edição da Feira virá ainda mais forte, com adesão de mais empresas. Estamos muito otimistas em relação a isso.

O Banco de Oportunidades Digital passou a oferecer também orientação profissional pela internet por meio de tutoriais e palestras digitais, falando a língua e acompanhando o ritmo das novas gerações.

Com ênfase no público de baixa renda, o Programa Jovem Aprendiz é outra parceria do Senac RJ com empresas fluminenses, contribuindo com a aprendizagem e a primeira experiência profissional de jovens em situação de risco social. São cerca de 4 mil empresas e mais de 13 mil alunos, uma experiência que extrapola as fronteiras do programa e beneficia toda a sociedade.

O Portal do Futuro também atua junto ao público jovem. Nele, os alunos participam de oficinas nas dimensões Ser Pessoa, Ser Cidadão e Ser Profissional. Os jovens recebem capacitação nas áreas de Gestão, Turismo e Hotelaria, com vivência nas empresas para consolidar o aprendizado na prática. Porque ensinar é parte do processo, não fim.

Dentro ou fora da sala de aula, o Senac RJ é protagonista de um mercado de potenciais explorados parcialmente no Brasil. Enquanto em países desenvolvidos, a educação técnica responde por metade das matrículas, aqui, são menos de 10%, segundo o Ministério da Educação. De acordo com suas estatísticas mais recentes, e a despeito das dificuldades, o Senac RJ segue como principal player no ensino técnico fluminense.

Com unidades em todas as regiões do estado e ensino à distância – EAD, o Senac RJ combina a metodologia do “aprender fazendo” com o pensamento crítico, a adaptabilidade e a criatividade. Essas são algumas das competências imprescindíveis no ambiente de trabalho volátil e imprevisível que chega com a transformação digital. É assim que transformamos e vamos continuar a transformar vidas e o estado do Rio de Janeiro.

*Sergio Arthur Ribeiro da Silva é diretor regional do Senac RJ

Galeria de Fotos

OPINA17MAR ARTE O DIA
Sérgio Arthur Divulgação

Comentários