David Miranda: Adoção e quarentena

Inclua a adoção nas suas reflexões e lembre que há milhares de crianças e adolescentes brasileiros no Cadastro Nacional da Adoção esperando por oportunidade de se integrar a uma família

Por David Miranda*

Opina 16 abril
Opina 16 abril -
O mês que vem é de grande importância para a vida de muitas crianças e adolescentes brasileiros. Desde 1996, quando foi estabelecido que o 25 de maio seria o Dia Nacional da Adoção, diversas instituições, durante o mês inteiro, intensificam e ampliam as campanhas e os debates. É o período em que se registra maior número de contatos entre pessoas que pretendem adotar e os abrigos que acolhem os que esperam por uma família.

Não sabemos como serão realizadas as campanhas nesta época de pandemia. As dificuldades para alcançar e sensibilizar as pessoas para tão valoroso ato de afeto serão imensas. Mas as campanhas estarão vivas, cumprindo a missão de se comunicar e mostrar o quão importante é atentar para esse grupo da sociedade.
Eu e meu marido Glenn Greenwald adotamos os nossos dois filhos depois de muitas conversas sobre vida e amor, portanto, não foi uma decisão da noite para o dia. Nossa família cresceu em novembro de 2017, quando obtivemos a guarda e levamos as crianças para a casa. Optamos por adoção tardia porque descobrimos que havia um grande número de crianças mais velhas aguardando por uma família. E registramos no cadastro que haveria a possibilidade de adotarmos também o irmão ou irmã da criança. É importante – e muito – pensarmos nos irmãos, que, unidos desde a tenra idade, sonham em ser adotados juntos.

Em março do ano passado, nos tornamos oficialmente pais, e acabamos de comemorar um ano de efetiva adoção após cumprimento de diversas exigências e de período de observação das autoridades da Justiça.
É relevante informar que, nos registros de adoção, cerca de 70% das crianças e adolescentes que aguardam uma família são maiores de 5 anos, enquanto a maioria das pessoas adotantes só aceita crianças até 5 anos. Um grande descompasso. Um forte desafio para a sociedade brasileira enfrentar.

Em dias de pandemia, o silêncio do isolamento em casa nos leva a muitos pensamentos sobre o mundo e a humanidade. Inclua a adoção nas suas reflexões e lembre que há milhares de crianças e adolescentes brasileiros no Cadastro Nacional da Adoção esperando por oportunidade de se integrar a uma família.

*David Miranda é deputado federal (PSOL-RJ)

Galeria de Fotos

Opina 16 abril Arte Paulo Márcio
Deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) Divulgação

Comentários