Flávio Chantre - Divulgação/ Rogerio Lorenzoni
Flávio ChantreDivulgação/ Rogerio Lorenzoni
Por Flávio Chantre*
Em meio aos desafios e dores impostas pela pandemia do novo coronavírus, a multiplicação da solidariedade fortalece o valor da união e o potencial de impacto positivo de ações de colaboração. Desde o início da crise, observamos iniciativas e doações em prol do bem comum, tanto por parte do setor privado, quanto de pessoas físicas. O número de beneficiados que se espalha pelo país demonstra que a solidariedade se tornou uma das principais armas contra a covid-19.

No Rio de Janeiro, e em especial em Duque de Caxias, a distribuição de alimentos, de produtos de higiene pessoal e de equipamentos hospitalares se torna ainda mais essencial nesse cenário. Dados mais recentes do IBGE apontam que domicílios com rendimentos mensais de até meio salário mínimo por pessoa representam 37,8% da população do município, ou seja, mais do que nunca a região precisa de um olhar especial durante o delicado momento pelo qual estamos passando

O trabalho que vem sendo realizado envolve a solidariedade junto aos mais variados parceiros da cadeia de valor, o que potencializa o poder das ações. Neste contexto, o apoio de companhias do município também se faz presente com a atuação no Conselho Consultivo Comunitário de Campos Elíseos, que a Braskem integra desde 2015, por meio de projetos e ações para a comunidade.

Conversando com as pessoas do entorno, percebemos a urgência dessa colaboração pois, em meio a tantos problemas, receber uma cesta básica, kits de materiais de higiene ou ser atendido em algum hospital público com profissionais capacitados e com EPIs são atitudes que podem salvar vidas e que reforçam a sensação de união. Nesse sentido, as mais recentes doações da Braskem, que já totalizam mais de 243 mil itens, feitas em junho em Duque de Caxias envolveram a doação de milhares de máscaras de não tecido para o Hospital Municipal Dr. Moacir Rodrigues do Carmo , em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de janeiro - FIRJAN, e também a doação de protetores faciais do tipo face shield, produzidas em parceria com a Plascony, empresa paulista que produziu chapas, e a Hightech, companhia com sede no Rio de Janeiro.

Empresas e pessoas físicas vêm fazendo a sua parte nesta cadeia solidária e o que reforça a importância da consciência coletiva nos mais diversos segmentos para superarmos este momento delicado da saúde mundial.

*Flávio Chantre é gerente de Relações Institucionais da Braskem