Suspeito de abuso sexual, pastor Felipe Heiderich deixa prisão

Desembargador concedeu soltura mesmo sem tornozeleira. Ele foi acusado pela então mulher, a pastora Bianca Toledo

Por clarissa.sardenberg

Rio - Suspeito de abusar sexualmente do enteado de 5 anos, o pastor Felipe Garcia Heiderich deixou o complexo penitenciário de Bangu, na madrugada deste domingo, sem tornozeleira eletrônica, de acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). A defesa do religioso conseguiu junto ao desembargador Murilo Kieling a soltura, mesmo sem o uso do artefato. 

O governo não está fornecendo as tornozeleiras porque a empresa responsável parou de receber do estado em setembro. Já havia sido determinado anteriormente a prisão domiciliar de Heiderich e o Ministério Público se manifestou favorável pela decisão em tais condições.

Felipe Heiderich foi denunciado por Bianca Toledo por abusar sexualmente do enteado de 5 anos Reprodução Facebook

Heiderich teria cometido atos libidinosos contra o menino diversas vezes, segundo a denúncia apresentada pelo promotor Luiz Otávio Lopes, com base em investigações da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV). As ações foram cometidas até o dia 11 de junto deste ano.

Na noite desta sexta-feira, a pastora Bianca Toledo anunciou que irá tirar um tempo sabático para se deidicar apenas ao filho de 5 anos. Após denunciar Heiderich à Justiça, na última quarta-feira, ela decidiu fechar as portas do Ministério AME (Associação Mundial de Evangelização e Ensino), que dirigia com ele. Na web, ela comentou as críticas por "expor a família" e disse que as notícias procuram alertar outras mães que passam pelo mesmo a não ficarem caladas.

"Há 20 dias, estou sabendo do fato e estou tão perpelexa quanto vocês. Sou a pessoa mais devastada nesta história e ninguém pode imaginar o que meu filho está passado. Por isso, estou passando todo o meu tempo com ele. Vou tirar um mês sabático ministrando a vida dele, brincado com ele e protegendo ele. Não estou com raiva de ninguém, não quero promover a revolta em relação a ninguém. Estou agindo com justiça e protegendo a minha casa", disse Bianca.

Nesta semana, a Rede Super de Televisão também resolveu cancelar todos os programas que o casal tinha no canal, que tem sede em Belo Horizonte (MG) e retransmite programas evangélicos para vários países. Em 2015 a emissora mineira criou um programa para Bianca e Felipe, onde ambos davam ‘conselhos espirituais’ para casais que tinham problemas conjugais.

A pastora pediu o cancelamento do casamento e disse que perante as provas apresentadas, o juiz aceitou a anulação. "O que eu descobri é muito grave, muito grave. No dia em que eu o confrontei, ele chegou a confirmar comigo que ele tinha um quadro de homossexualidade latente no tempo vigente do meu casamento com ele, o que me fez desejar cancelar esse casamento", afirmou em um vídeo publicado em sua conta no Facebook.

Segundo ela, o mais grave foi o caso de pedofilia: "Como mãe, eu posso dizer que esses foram os piores dias da minha vida. Ele está cautelado por crime de pedofilia. Eu estou aguardando a justiça do céu e a justiça da terra".

O pastor tentou suicídio após ser confrontado e foi internado em uma clínica psiquiátrica, onde se diagnosticou "quadro de psicose maníaco depressiva com neurose grave, duplas personalidades", de acordo com Bianca. "Eu fui enganada", finalizou na época.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia