Megaoperação desarticula quadrilha que distribui drogas para Teresópolis

Ação da PM e MP-RJ conta com 235 agentes e visa cumprir 28 mandados de prisão e 58 de busca e apreensão. Bando atua no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu

Por O Dia

Rio - A Polícia Militar realiza, nesta quarta-feira, uma megaoperação para desarticular uma quadrilha que atua dentro do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste. O grupo é acusado de distribuir drogas para as comunidades de Teresópolis, na Região Serrana do Rio. Até o momento, 15 pessoas já foram presas, além de quatro menores de idade apreendidos.

Com apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a ação "Conexão Penha" tem o objetivo de cumprir 28 mandados de prisão e 58 de busca e apreensão. Duas aeronaves do Grupamento Aeromarítimo (GAM) também ajudam na operação, que ocorre em Teresópolis, favelas da capital do Rio e São Gonçalo.

Segundo a denúncia do Gaeco à Justiça, os suspeitos coordenam a distribuição de cocaína, maconha, droga sintéticas e armas para as comunidades do Perpétuo, Rosário e Pimentel, em Teresópolis. No esquema, existem traficantes da Região Serrana, capital e São Gonçalo. 

De acordo com as investigações, o esquema é comandado por Robson Francisco da Costa, vulgo Cavalo, que coordena o tráfico de dentro da penitenciária Gabriel Ferreira de Castilho, em Bangu. Cavalo estabeleceu uma aliança com o também denunciado Julio Cesar de Azevedo Nunes, vulgo PP ou PT, um dos principais fornecedores de drogas e armas da mesma facção criminosa que Cavalo. A parceria buscava garantir o controle direto da remessa e distribuição de drogas das cidades do Rio, São Gonçalo e para as comunidades de Teresópolis.

Entre os homens de confiança de Cavalo estão Wesley da Silva Neves, vulgo 2L, Lelei ou Feio, e Cláudio Silva de Oliveira, vulgo Gordinho, que são de Teresópolis e que atuavam como gerentes gerais, mesmo estando presos na penitenciária Visconde Piragibe, em Bangu. Da cadeia, ele comandava os gerentes locais, que cuidavam das bocas de fumo no município da Região Serrana e ainda recrutavam "mulas" para o transporte do material da capital e de São Gonçalo para Teresópolis.

Ainda foi identificado durante as investigações um traficante identificado apenas como “JF” ou “Junior”, que era encarregado do envio de drogas das comunidades do Jacaré e Vila Kennedy. Já Julio Cesar, aliado de Cavalo, era responsável pelas remessas de comunidades da Maré, da Cidade Alta e do Complexo do Salgueiro, este último em São Gonçalo.

A investigação também identificou intermediários na quadrilha que planejavam a expansão do tráfico de drogas para o município de Magé, na Baixada Fluminense. Os presos estão sendo encaminhados para a 110ª DP (Teresópolis).

Últimas de Rio De Janeiro