Por adriano.araujo

Rio - Até o primeiro trimestre do ano que vem, as arenas espoportivas na Barra da Tijuca, que receberam milhares de visitantes durante a Rio 2016, vão voltar a funcionar. A previsão é do ministro do Esporte, Leonardo Picciani, que nesta sexta-feira recebeu das mãos do prefeito Eduardo Paes as ‘chaves’ do Parque Olímpico. Caberá agora ao governo federal pagar a conta, já que o projeto de parceria público-privada (PPP) para administrar o complexo exportivo não vingou.

O Ministério passa a administrar as Arenas Cariocas 1 e 2, o Centro Olímpico de Tênis e o Velódromo e vai financiar a montagem dos dois estádios aquáticos, da Arena do Futuro e de quatro escolas. Já o Estádio Aquático será desmontado, enquanto a Arena Carioca 3 continuará sendo administrada pela prefeitura, devendo se transformar em escola de ensino integral.

O complexo esportivo deverá receber treinamentos de atletas de base e de alto rendimento e ter uso compartilhado por projetos sociais e eventos. Mas o Ministério não divulgou ainda uma agenda dessas ações, nem fez as contas de quanto será gasto para custeio dos equipamentos. O município entregou ainda as obras da Via Olímpica, transformada em área de lazer e convivência para a população, e inaugurou o Muro dos Campeões, com os nomes dos 2.568 medalhistas dos Jogos.

Você pode gostar