Chocada com demissão, professora é atropelada por bicicleta e internada na UTI

Drama da professora Eleonora Freire Bourdette Ferreira comoveu ex-alunos, que em abaixo-assinado pedem sua reintegração

Por O Dia

Niterói - Uma professora de Direito vive um drama pessoal após ser demitida da universidade onde trabalhou por 18 anos. Eleonora Freire Bourdette Ferreira foi comunicada, na noite de segunda-feira, que não fazia mais parte do corpo docente da Estácio de Sá, onde ministrava aulas de Direito Constitucional no campus Oscar Niemeyer, no Centro de Niterói. Ao sair da faculdade por volta das 19 horas, ainda abalada pela notícia da demissão, ela acabou atropelada por uma bicicleta, bateu com a cabeça, quebrou o cóccix e foi parar na UTI do Hospital Icaraí. O quadro de saúde da professora estável.

A professora de Direito Constitucional Eleonora FreireReprodução Internet

Andreia conta que a professora estava a três meses de poder se aposentar e ficou triste e atordoada. "Foi uma injustiça muito grande. Ela ficou atordada com a demissão. Ela era rígida porque podia, ela tinha didática, sabia ensinar", lamentou a ex-aluna, que lidera um movimento para que a professora seja readmitida.

Um abaixo-assinado, que na manhã desta quarta-feira já contava com mais de 400 assinaturas, também pede a volta da professora às salas de aula. Em manifestação no Facebook, alguns alunos e apoiadores de Eleonora aproveitam para escrever palavras de incentivo.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa da Universidade Estácio de Sá informou que não comenta demissões de seus funcionários e lamentou o atropelamento, afirmando que se solidariza com a professora e deseja uma pronta recuperação. A nota não fala sobre a possibilidade de a professora Eleonora Freire Bourdette Ferreira ser recontratada.

Nota da Universidade Estácio de Sá

“Em respeito às normas trabalhistas, a Estácio não comenta sobre encerramento de contrato de trabalho de qualquer colaborador. Todavia, diante das infundadas alegações veiculadas, a Instituição esclarece que preza pela excelência no ensino e jamais desligaria um docente por atuar com rigor. É importante destacar que a Estácio não recebeu qualquer comunicação oficial da família ou da própria sobre o acidente que teria sofrido após a sua saída do Campus.”


Reportagem do estagiário Caio Belandi sob supervisão de Marlos Mendes

Últimas de Rio De Janeiro