O que fazer quando o assunto é incêndio

Bombeiros e especialista dão dicas sobre como prevenir ou agir se não for possível evitar o fogo

Por O Dia

O grave incêndio que atingiu o Hospital Badim, na Tijuca, na última quinta-feira, culminando na morte de 11 pessoas — todas idosas —, despertou a atenção da sociedade para cuidados de prevenção. E não é para menos: toda precaução é necessária, pois até mesmo um simples óleo de cozinha deixado na frigideira pode se tornar foco de chamas.

O DIA preparou um manual para orientar os leitores sobre os cuidados contra incêndios dentro de casa e também sobre como agir ao se deparar com o fogo. As dicas são do especialista em combate e prevenção a incêndios Wesley Pinheiro, que atuou, por 10 anos, como responsável pela Brigada de Incêndio da Coppe, da UFRJ, e do Corpo de Bombeiros do Rio.

Pinheiro diz ser preciso relembrar conceitos básicos, como manter atenção a eletrodomésticos, gás e evitar velas, além das famosas "gambiarras".

Entre os equipamentos em casa, o ferro elétrico é apontado pelo especialista como grande vilão. Ele recomenda a utilização longe de outros objetos. E, ao passar roupas, é preciso estar atento integralmente à atividade.

"O ferro tem resistência térmica, que chega a estalar (fazer barulho) quando está muito quente. Se essa resistência não funcionar, já começa um foco de incêndio. O aparelho não precisa estar em cima da roupa para que isso aconteça", explica Pinheiro, complementando que, se isso ocorrer, já começa a pegar fogo na borracha do ferro.

"Se o disjuntor não desarmar, dará um problema na eletricidade de toda a casa, provocando incêndio na parte elétrica, inicialmente, porque depois pega fogo em outros lugares", alerta.

O óleo de frigideira também representa riscos. "Por ser um óleo não volátil, tem que ser aquecido para pegar fogo. E se esquecê-lo, incendeia. Esquenta a tal ponto que rompe o limite de segurança e pega fogo", relata Pinheiro, acrescentando ser comum a chama alcançar pano de prato e o armário de cozinha, podendo se alastrar.

Neste e em outros casos de fogo dentro de casa, ele e os bombeiros dão sugestões sobre como proceder. Porém, sempre dentro de uma margem de segurança, pois, dependendo da situação, o ideal é deixar o local.

"Cada item tem uma classe (de risco), e deve-se ter um extintor adequado. Indico o extintor à base de pó, do tipo A B e C, que atende a todas as classes de fogo. No caso da frigideira, a pessoa deve fechar o gás, que é o alimentador das chamas, e usar o extintor. Mas se fugir do controle, deve-se chamar o 193 e sair do imóvel", orienta o especialista.

 

Comentários