Leitos para tratar de pacientes com covid-19 - Foto: Divulgação
Leitos para tratar de pacientes com covid-19Foto: Divulgação
Por O Dia
Rio - A Prefeitura do Rio informou que, até o momento, a taxa de ocupação de Unidades de Terapia intensiva (UTI) para a covid-19 é de 89%. Já a taxa de ocupação nos leitos de enfermaria é de 87%.
O número de pessoas internadas nas unidades da rede municipal subiu para 918, sendo 288 em UTI. Já na rede SUS na capital, 1.444 pessoas seguem internadas, sendo 593 em UTI.
Publicidade
No momento, 375 pessoas aguardam transferência para leitos na capital e na Baixada Fluminense, sendo 180 para leitos de UTI Covid.
Rio bate 359 mil casos de covid-19
Publicidade
A Secretaria de Estado de Saúde do Rio atualizou, nesta segunda-feira, os dados da pandemia da covid-19 em todo o estado. Segundo a pasta, são 359.165 casos confirmados e 23.740 óbitos por coronavírus. Nas últimas 24h, 18 pessoas morreram e 768 foram infectadas. Há ainda 446 óbitos em investigação e 2.402 foram descartados. Entre os casos confirmados, 359.165 pacientes se recuperaram da doença.
Vacinação no Brasil
Publicidade
Ainda não foi divulgada uma data para que as pessoas comecem a ser vacinadas no Brasil, porém, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) tenta obter uma liminar para obrigar o governo federal a comprar vacinas contra a covid-19 que já tenham sido aprovadas por autoridades sanitárias no exterior, mesmo sem registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
É o caso, por exemplo, da vacina da Pfizer, que já começou a ser aplicada no Reino Unido e nos Estados Unidos. O ofício foi enviado na ação que aponta omissão do governo Jair Bolsonaro em traçar um plano nacional de imunização.
Publicidade
"A ausência de registro no órgão regulador nacional tem sido utilizada como subterfúgio, pelo Ministério da Saúde, para se furtar a apresentar um plano detalhado e factível de vacinação da população brasileira", argumentam o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, o presidente da Comissão Nacional de Estudos Constitucionais da entidade, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, e as advogadas Karoline Ferreira Martins e Lizandra Nascimento Vicente, que subscrevem o documento.
A importância do uso da máscara
Publicidade
O uso de máscaras de proteção facial já era apontado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e por autoridades sanitárias do país como uma importante medida de proteção e de prevenção à propagação do coronavírus. As mesmas impedem a disseminação de gotículas expelidas do nariz ou da boca, funcionando como uma barreira física contra a propagação do vírus.
A máscara deve ser usada sempre que a pessoa precisar sair de casa, higienizando as mãos antes e depois de colocá-la. Ela deve cobrir a boca e o nariz, e dever ser amarrada acima das orelhas e abaixo da nuca, para diminuir o espaço entre o rosto e o equipamento. Também é importante lavar a máscara sempre que chegar em casa.
Publicidade
Para o infectologista da UFRJ Edimilson Migowski, o uso do equipamento será essencial na fase inicial pelo fato de ainda não se saber o grau de eficiência da vacina. "Nós ainda não sabemos como essa vacina irá se comportar, então há a recomendação do uso da máscara. A tendência é que no começo as pessoas respeitem, depois, continua usando só aqueles que apresentarem sinais e sintomas de infecção viral".
Já Renato Kfouri, infectologista e presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria, afirmou que o uso da máscara é importante por dois motivos: Possível quadro de reinfecção e a questão da coletividade. "O seu comportamento influencia nos outros. Ninguém sai com uma placa dizendo "eu já tive a doença", então é uma questão de humanidade e de respeito com o próximo. É prudente que todos usem por uma questão social e prevenção de outras doenças respiratórias também."