Cristo Redentor é iluminado de verde para alerta de doença rara
Cristo Redentor é iluminado de verde para alerta de doença rara Divulgação / Cristo Redentor / Laís Martins
Por O Dia
Rio - O Cristo Redentor foi iluminado de verde, no sábado, para alertar o público sobre doença rara confundida com esclerose múltipla. O objetivo é informar sobre a importância da conscientização sobre a Neuromielite Óptica, doença inflamatória rara, crônica e grave, do sistema nervoso central, que acomete principalmente os nervos ópticos e a medula espinhal. A iniciativa foi da CDD - Associação Crônicos do Dia a Dia, em parceria com a NMO Brasil. 
Além do Cristo, outros pontos históricos espalhados pelo Brasil, como Congresso Nacional, Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida (Brasília), Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, Câmara dos Vereadores de Niterói e Museu de Arte Contemporânea de Niterói, também foram iluminados para mostrar as dificuldades enfrentadas pelos pacientes.
Publicidade
A Neuromielite Óptica (NMO), também chamada como Síndrome de Devic, é uma doença neurológica rara e de causa desconhecida. A condição pode afetar pessoas de qualquer faixa etária, sendo mais comum em mulheres de meia idade em fase produtiva. Os sintomas mais frequentes são: fraqueza, dormência nos braços e pernas, fadiga excessiva, dificuldade para andar, alteração de sensibilidade, disfunção do controle da urina e do intestino, podendo evoluir para paralisia total dos membros e até levar à morte.
Com algumas similaridades, enquanto a Esclerose Múltipla (EM) é uma doença de predomínio em caucasianos, a Neuromielite Óptica acomete mais afrodescendentes e descendentes de asiáticos. No Brasil, por conta da miscigenação étnica, há mais casos de NMO em comparação ao resto do mundo.
Publicidade