Adriano Nóbrega e Julia Lotufo: parceria no amor e no crime. Viúva nega acusações e diz que não vai se entregar
Adriano Nóbrega e Julia Lotufo: parceria no amor e no crime. Viúva nega acusações e diz que não vai se entregarReprodução
Por Thuany Dossares
Rio - A defesa de Julia Lotufo entrou na justiça pedindo que o seu mandado de prisão seja revogado. A viúva do miliciano Adriano da Nóbrega, morto em fevereiro de 2020, está foragida desde o último dia 22. Ela é acusada pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) de administrar o esquema de agiotagem e lavagem de dinheiro da fortuna conquistada por Adriano com o crime.

De acordo com os advogados de Julia Lotufo, Délio Lins e Silva e Délio Lins e Silva Junior, ela teme pela sua vida e de sua filha, e essa é a única razão pela qual ela não se entrega à justiça. A defesa ainda afirmou que até ter a decisão do juiz em relação ao pedido de revogação da prisão não falará sobre a possibilidade dela se entregar. 
Na época em que Adriano foi morto, numa ação de PMs do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Bahia, ela declarou que ocorreu uma execução. 
Julia Lotufo: primeira-dama da milícia de Rio das Pedras está foragida - Reprodução
Julia Lotufo: primeira-dama da milícia de Rio das Pedras está foragidaReprodução


O pedido está sendo analisado pelo juiz e, segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio, ainda não há decisão em relação ao recurso dos advogados. Contra Júlia, há um mandado de prisão em aberto, expedido pelo juiz Bruno Monteiro Ruliere, da 1ª Vara Criminal Especializada da Comarca da Capital.

Em nota, Délio Lins e Silva e Délio Lins e Silva Junior, afirmam que Julia Lotufo "nunca teve qualquer participação em eventuais condutas ilegais que possam ter sido praticadas por seu falecido marido".

Primeira-dama do crime e guardadora de segredos do miliciano

Enquanto a defesa de Julia Lotufo nega as acusações, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP garante que ela era companheira de Capitão Adriano no amor e no crime. No último dia 22, ela foi um dos alvos da Operação Gárgula, que buscava desarticular a quadrilha que lavava o dinheiro sujo do chefe da milícia de Rio das Pedras.

O DIA teve acesso ao relatório do COAF(Conselho de Controle de Atividades Financeiras) da rede dos bens de Adriano. Os documentos mostraram que duas empresas foram criadas com investimentos dele e que, mesmo sem aparecer como proprietária, Júlia recebia prestações de contas dos funcionários e repassava tudo para o marido.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, a viúva de Adriano sempre soube dos negócios do companheiro no crime e, além de exercer a função de tesoureira da quadrilha, ostentava o dinheiro sujo do miliciano. A gerência dos negócios da quadrilha não a afastava da praia do Recreio dos Bandeirantes e da academia de musculação, onde se deslocava em uma picape Hilux, com motorista particular e segurança.