18ª Semana Nacional de Museus teve presença Meritiense

Pinturas do Marinheiro João Cândido representaram o município

Por O Dia

Rita Vianna e Ana Paula Rosa no ateliê em São João de Meriti
Rita Vianna e Ana Paula Rosa no ateliê em São João de Meriti -
O evento coordenado pelo Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, que este ano estabeleceu o tema Diversidade e Inclusão, teve a participação da artista plástica e Meritiense, Rita Vianna, que retratou o herói municipal João Cândido, responsável pela Revolta da Chibata no início do século XX, que pôs fim aos castigos sofridos por ele e os demais marinheiros.
Três telas pintadas em pallet pela artista apresentam o marinheiro desde sua entrada na corporação até sua velhice, passando pelos castigos de seus superiores e o levante que deu um basta aos açoites.
Nesta quinta, a secretária de Cultura, Lazer, Direitos Humanos, Igualdade Racial e Turismo (SEMCULDHIR), Ana Paula Rosa, esteve no ateliê da artista para conferir as obras. João viveu parte de sua vida em São de Meriti, onde faleceu e é reconhecido pela cidade como herói municipal.
Pós-graduada em arteterapia, Rita Vianna é moradora da cidade há mais de 50 anos. Ela dá aulas para crianças, jovens e adultos, incluindo pessoas especiais e participou de eventos nacionais e internacionais. “Eu vivo aqui e vejo nossa realidade, ter a liberdade de representar isso é um prazer e uma responsabilidade muito grande”.
A exposição será enviada futuramente ao museu Marinheiro João Cândido. Por hora, está no ateliê da própria artista, porém é necessário aguardar o fim da quarentena para agendamento de visitas.
O Ateliê fica na Rua Pastor Joaquim Rosa, Lt 6 Qd 53, Jardim Meriti. Tel. 9642-19114.
 
 
 
 
 

Galeria de Fotos

Rita Vianna e Ana Paula Rosa no ateliê em São João de Meriti Divulgação
"As diversas faces de João Cândido", a artista retrata o marinheiro ao longo de sua vida, a luta pela igualdade social e racial e a busca por seus direitos. Divulgação
"Luta dos guerreiros", João Cândido idoso, ainda de punhos cerrados, mostrando que a luta continua. Junto a ele, a professora e diretora do CIEP 400, Nádia Tobias, então integrante da Pastoral Afro-Brasileira e pesquisadora do marinheiro, falecida em um acidente de carro em 2017. Divulgação
"Revolta da Chibata", a artista retrata as correntes sendo partidas e o começo do movimento. Divulgação

Comentários