Voluntários se organizam para doar cobertores e esgotam estoques

Campanhas de doações também são divulgadas nas redes sociais e por aplicativos como o Whatsapp

Por O Dia

Rio - Aos 64 anos, Macarrão, como é conhecido, vive nas ruas da Lapa. Acostumado a dormir sobre papelões, neste inverno rigoroso ele ganhou um cobertor novinho. Foi doação do dono da funerária em frente ao espaço que ele ocupa toda noite na calçada. Sorridente José Claudio Lopes, 63, que ocupa trecho ao lado na rua, veio há oito anos de Pernambuco, após ter perdido familiares. José conta que ficou muito feliz com as doações que o ajudam a passar pelas noites mais frias já registradas na cidade este ano. Ele mostrou o casaco novo e três colchas que ganhou de uma senhora que sempre passa pela rua distribuindo roupas, cobertores e comida.

As baixas temperaturas registradas no Rio têm mobilizado a população a ajudar quem sofre com o frio nas ruas. Segundo comerciantes, as vendas têm sido tão altas que muitas lojas ficaram com o estoque vazio. Em tempos de crise, o gerente das Casas Franklin, na Taquara, Wagner Souto, 47 anos, se surpreendeu com a quantidade de pessoas comprando colchas, lençóis e cobertores, no atacado, para ajudar moradores de rua. “Tem gente que não liga nem para o preço. Se não tiver o mais barato, compram os caros. O preço varia de R$ 12 a 30.” 

'Macarrão’%2C de 64 anos%2C ganhou um cobertor novo para enfrentar frio nas ruas da LapaDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Giselle Ghazi, 46, dona da loja Zuma, no Centro, elogia a atitude de compaixão. “A solidariedade é importante. Acho que esse frio acabou unindo as pessoas”, afirmou. Segundo lojistas, a demanda tem sido tão alta que é preciso o fazer lista de espera, para atender aos pedidos. Algumas lojas ficam semanas sem lençóis e cobertores.

Mas a dificuldade não é só para quem vende. “Fui em loja de Madureira, e não tinha. Andei muito para achar, e mesmo assim, existia uma lista de espera por falta dos produtos”, afirmou a dona de casa Claudia Pizzolotto, 60. Junto com o filho, Pablo, 31, ela iria distribuir ontem à noite as doações na região próxima ao Hospital Souza Aguiar, no Centro.

Campanhas em rede social

O pastor Marco Aurélio Pereira, 45, auxiliar da Igreja do Nazareno, na Baixada Fluminense, não conseguiu encontrar locais para fazer a compra de cobertores. “Eu fui em duas lojas, mas não encontrei”, disse.

Campanhas de doações de cobertores, meias e agasalhos são divulgadas nas redes sociais e por aplicativos como o Whatsapp. E se espalham por diversos bairros, envolvendo estabelecimentos comerciais e pontos de grande fluxo de clientes, como Linha Amarela e shopping centers.

Bianca Fonseca, 30, voluntária do Projeto Ruas (Rondas Urbanas de Amigos Solidários), conta que este ano as contribuições têm sido bem maiores do que no ano passado. “Com o que arrecadamos fazemos rondas e distribuímos nas ruas. As pessoas têm ajudado tanto, que conseguimos compartilhar não só com quem vive na rua, mas em instituições que precisam”. Um exemplo de solidariedade que aquece.

Haddad joga cobertas fora

A comoção dos paulistas com os moradores de rua em meio à onda de frio — seis já morreram por causa da baixa temperatura — foi tão grande que a semana começou com pilhas de cobertores, doados pela população, forrando o Centro de São Paulo. A boa ação aconteceu depois que a prefeitura foi criticada por recolher pertences dos sem-teto, como colchões e papelões.

Servidores municipais voltaram a retirar cobertores deixados nas ruas. Segundo a prefeitura, o material é recolhido porque os moradores de rua tratam como descartáveis e por falta de condições higiênicas. Decreto publicado sábado pelo prefeito Fernando Haddad proíbe o confisco de objetos dos sem-teto, mas não impede a retirada se estiverem abandonados.

Festejos vão animar o dia de São João

Reza a lenda que a noite de hoje, Dia de São João, é considerada a mais fria do ano. Para comemorar o padroeiro, várias cidades estão em festa, com barraquinhas típicas. Em São João de Meriti, a Praça da Matriz terá shows a partir das 21h.Neguinho da Beija-Flor se apresenta às 23h. Às 17h, haverá procissão e missa.

A catedral no Centro de Niterói promove almoço com angu à baiana às 12h. Às 17h, haverá missa e procissão, seguida de show. Macaé vai amanhecer com alvorada, às 6h. A procissão será às 16h30, seguida de missa. A banda Frutos Medjogorje encerra a festa. A Catedral Metropolitana do Rio levará alegria a moradores de rua com festa junina amanhã, a partir das 9h.

Como doar

Aqueça Corações
Amigos se juntaram no grupo ‘Sua Atitude Conta’, que realiza a campanha ‘Aqueça um Coração’. No domingo, os voluntários fizeram entregas na Cracolândia do Parque União e em um centro de reabilitação em Del Castilho. suaatitudeconta@gmail.com - 964044977.

Inverno Quente 
A Lamsa recebe doações para a ONG Viva Rio até dia 1º, no ponto de apoio da Linha Amarela, na pista sentido Barra da Tijuca, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Já o MetrôRio vai doar os 284 agasalhos do ‘Achados e Perdidos’. A Concessionária Rio-Teresópolis (CRT) recolhe doações.

Nos shoppings 
Madureira Shopping, Top Shopping (Nova Iguaçu) e Shopping Jardim Guadalupe também aderiram à campanha. Recolhem doações até dia 1º.

?Reportagem da estagiária Daniele Bacelar. Colaborou Gustavo Ribeiro

Últimas de Rio De Janeiro