Mais Lidas

A opção que faltava

Com preço de R$ 68.870, VW Virtus 1.6 automático preenche lacunas para combater Fiat Cronos GSR e o Toyota Yaris Sedan XL

Por O Dia

Volkswagen Virtus Confortline
Volkswagen Virtus Confortline -

Nesse toma lá, dá cá das fabricantes, é importante preencher todas as lacunas do mercado. A Volkswagen, por exemplo, não tinha um rival direto em preço para competir com o Fiat Cronos 1.3 GSR automatizado (R$ 65.190) e Toyota Yaris Sedan 1.5 XL automático (R$ 68.740) até meados do ano passado. O problema foi resolvido com o lançamento do novo VW Virtus 1.6 MSI automático (R$ 68.870), com o conhecido motor EA211 das versões básicas de sua linha.

De cara, é possível perceber que o VW Virtus 1.6 é um carro sem muitas frescuras, para clientes mais práticos. O acabamento é inteiramente feito em plástico texturizado, com uma inserção de tecido bem grosseiro no apoio de braço da porta. Ele também não traz alças de mão para os passageiros, apoio de braço para o motorista e câmera de ré. Ao menos, o sedã é bem montado, sem apresentar barulhos de acabamento ou componentes soltos. A unidade que a VW nos emprestou já beira os 10 mil quilômetros rodados. Há computador de bordo com todas as informações importantes sobre consumo, trajeto e velocidade digital.

Rodando com mais quatro adultos durante o fim de semana, ninguém se queixou do espaço no banco traseiro. Ainda que o assento do meio seja uma posição ingrata, ele ameniza a elevação central que é tão acentuada em outros modelos da Volkswagen. O porta-malas de 521 litros também é um dos destaques ante os 473 litros do Yaris, mas as alças no estilo "pescoço de ganso" acabam roubando muito do espaço.

Central Multimídia

A central multimídia traz todas as conectividades Bluetooth, auxiliar, USB e cartão de memória. Apesar de ser muito intuitiva, minimalista e fácil de usar, o sistema de áudio poderia melhorar, pois o som acaba reverberando bastante e distorcendo as faixas mais "carregadas".

O rodar é bom graças ao sistema de suspensão uma suspensão afiado e macio. Para uma cidade esburacada como São Paulo, o Virtus parece ter a chave do equilíbrio: consegue filtrar as irregularidades do solo e garantir a estabilidade em curvas rápidas.

Transmissão

Outro ponto em que o Virtus supera os concorrentes é na transmissão. A Volkswagen apostou em um câmbio automático de seis velocidades que funciona muito bem enquanto desenvolve as marchas, mas dá alguns 'tranquinhos' chatos em reduções. Isso acontecerá, normalmente, nas reduções de quarta para terceira.

É um pecado que o Virtus não tenha aletas para trocas de marcha atrás do volante multifuncional. Modelos mais baratos, como a dupla Gol e Voyage, contam com este recurso que facilita as subidas mais íngremes. Bem escalonada, a transmissão também traz o modo esportivo que altera entrega da curva de torque, bem como as passagens manuais.

Comportamento dinâmico

O motor 1.6 MSI, de quatro cilindros, com comando de admissão variável desenvolve 117 cv de potência e 16,5 quilos de torque, quando abastecido com etanol. Destacamos o uso de materiais leves em sua engenharia, reduzindo o atrito e melhorando a eficiência energética. A unidade garante agilidade suficiente para o uso urbano, mas precisa se esforçar para atingir altas velocidades na estrada. Ao contrário do modelo manual que vai de 0 a 100 km/h em 9,8 segundos, o automático leva 10,8 segundos para atingir a mesma marca.

De acordo com o Inmetro, o Virtus 1.6 automático faz 7,8 km/l na cidade e 9,8 km/l em trecho rodoviário com etanol. Na gasolina, os números sobem para bons 10,8 km/l e 13,8 km/l, respectivamente. No conjunto de segurança, destacamos cintos de três pontos para todos os ocupantes, sistema Isofix para cadeirinhas de bebê e airbags laterais. A Volkswagen desliza ao colocar o controle de estabilidade e tração como opcional no pacote Safety, que também acrescenta assistente de partida em rampa por R$ 1.430. A cor metálica prata tungstênio do modelo que testamos também acrescenta R$ 1.570, fazendo o nosso Virtus saltar para R$ 70.440.

A Volkswagen já divulgou o estudo que diz que 60% dos modelos emplacados no Brasil contarão com câmbio automático ainda em 2020. Tal como Polo, Gol e Voyage, o Virtus 1.6 MSI é parte do grande plano de retomada, que é retomar a liderança do mercado em um ano e meio.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Volkswagen Virtus Confortline Lucas Cardoso
Interior da versão MSI tem plástico demais, mas acerta nas linhas do painel. Câmbio automático de seis velocidades é o mesmo da versão 200 TSI e Highline Cauê Lira/Portal iG
Virtus 1.6 MSI automático Cauê Lira/Portal iG
Novo câmbio deve aposentar transmissão automatizada (I-Motion) fotos divulgação

Comentários