Argo Trekking cobra menos por predicados de um SUV

Suspensão elevada, design robusto, desempenho acima do padrão e bom espaço interno, são destaques

Por Lucas Cardoso

Fiat Argo Trekking
Fiat Argo Trekking -
Rio - Os hatchs aventureiros vem surfando a mesma onda criada pelos SUVs. Visual mais robusto, maior altura em relação ao solo e desenvoltura para terrenos menos amistosos, são alguns dos predicados divididos, dadas as devidas proporções, com o segmento dos utilitários. Mas o trunfo dos 'pequenos' aventureiros, que já teve momentos melhores, está no preço menor e na praticidade das suas dimensões mais compactas.
O Argo Trekking da Fiat é um dos novos integrantes desse segmento. Vendido por R$ 59.990, o hatch aventureiro oferece a maior altura em relação ao solo da categoria (21 cm). Em comparação com a versão Drive 1.3, que serve de base, o modelo ficou 4 cm mais alto. A distância em relação ao solo maior veio de alterações no conjunto de suspensão e a troca dos pneus tradicionais por modelos de uso misto. Para se ter uma ideia, Onix Activ, Sandero Stepway, Ka FreeStyle e HB20X, têm, em média, dois centímetros a menos de vão livre.
Mas não é só isso. O Argo Trekking como qualquer outro modelo do segmento de aventureiros aposta no visual exclusivo e robusto. A receita inclui molduras plásticas em toda extensão inferior do carro e caixas de roda, além de elementos exclusivos: rack de teto 'fake' — sem capacidade de carga —, ponteira esportiva no escapamento, aerofólio integrado a adesivos. Há também teto e retrovisores em preto brilhante. 
Por dentro, o modelo traz a mesma proposta de design exclusivo, quando comparado ao restante da linha. O teto é escurecido, bancos tem padronagem diferente, com logo alusiva a versão e costuras em laranja. Já o painel tem acabamento em cinza. As alterações agregam ao interior do argo, que já é bem resolvido.  
Para conhecer o desempenho do modelo na prática, O DIA avaliou o aventureiro da Fiat durante uma semana. Foram pouco mais de 270 km percorridos em trecho misto (cidade e estrada). Nesse trajeto, o conhecido motor 1.3 FireFly de 109 cavalos e 14,2 quilos de torque mostrou força suficiente para superar os obstáculos comuns da cidade, como ultrapassagens, subidas e retomadas. E quando o terreno não ajudou, os pneus de uso misto garantiram aderência necessária.
Apesar da altura maior em relação ao solo, o comportamento do Argo Trekking em curvas do modelo no período de avaliação foi sóbrio. Nada de rolamentos exagerados da carroceria. No quesito absorção, a suspensão reforçada com novas molas e amortecedores melhorou o bom desempenho já visto nas outras versões do modelo e superou bem as imperfeições do solo.
Diferente do primeiro contato com o modelo, no evento de lançamento, em Mogi das Cruzes (São Paulo), o isolamento acústico do hatch parece ter melhorado. Mesmo quando o motor foi mais solicitado, a invasão de som na cabine não chegou a incomodar. Com os vidros fechados, inclusive, fica difícil até de ouvir a barulheira comum dos centros urbanos, como é no Rio. 
A relação do diferencial encurtada para compensar o diâmetro diferente da roda e do pneu, que ficaram mais largos e altos, foi outro acerto da engenharia da Fiat. A estratégia da marca garantiu que a versão aventureira tivesse o mesmo desempenho das demais versões com o motor 1.3. 
No quesito visual, a opção pela inclusão de molduras em preto fosco, aerofólio integrado e ponteira esportiva, deixam o modelo mais agressivo. As escolha pelos adesivos na lateral, traseira, teto acompanham a proposta. Os emblemas da Fiat escurecidos, tanto na dianteira quanto no volante, e os bancos com padronagem exclusiva também são acertos. Mas o adesivo no capô parece exagerado. No mais, as alterações promovidas pela versão causam impacto positivo no hatch aventureiro. 
O nível de equipamentos do Argo Trekking faz do modelo uma ótima opção em custo-benefício. O modelo sai de série com central multimídia com tela de sete polegadas, capaz de espelhar smartphones via Android Auto e Apple CarPlay, vidros elétricos, computador de bordo, direção elétrica, ar-condicionado e painel instrumentos com tela de TFT de 3,5 polegadas.
Há ainda retrovisores elétricos com função tilt-down e coluna de direção com regulagem de altura. A versão avaliada também incluía os únicos opcionais do modelo: rodas de liga leve de 15 polegadas (R$ 1.590) e câmera de ré, com gráficos de rota (R$ 700). Juntos, os dois itens custam R$ 2.290, o que eleva o valor do modelo para ainda competitivos R$ 61.280.
Ficha técnica
Preço: R$ 59.990
Motor: 1.3 flex, 4 cilindros em linha, dianteiro, transversal
Potência: 109 cv (e)/ 101 cv (g)
Torque: 14,2 kgfm (e) / 13,7 kgfm (g)
Câmbio: manual de cinco marchas
Aceleração de 0 a 100 km/h: 10,8 s
Velocidade máxima: 173 km/h
Dimensões: 4,00 m de comprimento, 1,56 metro de altura, 1,72 metro de largura, 2,52 m de entre-eixos e porta-malas de 300 litros

Galeria de Fotos

Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
O hatch aventureiro tem maior altura em relação ao solo da categoria (21 cm). Medida é 4 cm maior que o restante da linha. Central multimídia de sete polegadas tem função de espelhamento via Android Auto e Apple Car Play Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking Lucas Cardoso
Fiat Argo Trekking fotos Lucas Cardoso

Comentários