Visita ao veterinário não deve ser negligenciada

Ontem foi comemorado o Dia Nacional dos Animais, que estão cada vez mais presentes nas residências brasileiras: 139 milhões, de acordo com o Instituto Pet Brasil

Por Larissa Sant'Ana

Levando o cachorro ao veterinário
Levando o cachorro ao veterinário -

Ontem, foi comemorado o Dia Nacional dos Animais, que estão cada vez mais presentes nas residências brasileiras: já são 139,3 milhões, de acordo com o Instituto Pet Brasil. Porém, não são todos que recebem os cuidados necessários. Uma pesquisa divulgada recentemente pelo Instituto Qualibest mostrou que 34% dos donos de cães e 43% dos de gatos levam o bicho ao veterinário menos de uma vez por ano ou sem frequência. Isso pode ser considerado uma negligência, afinal, consultas veterinárias preventivas melhoram a qualidade e prolongam a expectativa de vida dos animais. A veterinária Nathália Gouvêa afirma que doenças silenciosas como as renais, hepáticas e os tumores malignos, só são descobertas em estágios avançados e praticamente irreversíveis quando o dono só procura ajuda ao perceber sintomas. "Os pacientes renais têm uma doença progressiva, que se descoberta no início, apenas mudança na alimentação já pode resolver. O mesmo acontece com os problemas hepáticos. Já os tumores, quando muito grandes, não são operados e o animal precisa passar por quimioterapia", explica a profissional. Com o acompanhamento constante o dono também economiza, já que o tratamento de doenças avançadas custa muito caro. Cães de pequeno porte de até 8 anos e de grande porte de até seis anos devem ser levados para consulta uma vez ao ano. Depois dessas idades, o atendimento deve ser semestral. A lógica é a mesma para gatos: uma consulta anual até a idade adulta (7 anos) e semestral para os idosos.

 

Rio deve ganhar 'Dezembro Verde'

Mais leis de proteção aos animais na Assembléia do Rio - Reprodução/Eddie Galaxy
A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa do Rio aprovou, na última semana, dois projetos de lei voltados à proteção animal, ambas do deputado Max Lemos. Uma, é a criação da campanha 'Dezembro Verde', para estimular a realização de ações educativas e a reflexão sobre o abandono dos animais. A segunda prevê a proibição do uso e a comercialização de coleira de choque em cães no estado. As propostas seguirão por comissões ligadas ao tema até entrarem em discussão e votação em plenário, o que deve acontecer ainda no primeiro semestre.

Rolé no MetrôRio

Você sabia que seu bichinho pode andar no MetrôRio? Cães e gatos de pequeno porte podem ser levados dentro de caixas apropriadas. Para cães-guia e de suporte emocional poderem andar na coleira, os donos devem apresentar laudo médico e solicitar autorização. Há algumas exigências, como carteira de vacinação atualizada. Para saber os requisitos e como obter a permissão, o usuário pode ligar para a Central de Relacionamento (0800 595 1111).

Vet de graça

A Prefeitura do Rio inaugura hoje uma Unidade de Saúde Médica Veterinária no Flamengo, na Zona Sul. Cirurgias serão agendadas e os 30 atendimentos diários serão feitos por meio de senhas.

Galeria de Fotos

Levando o cachorro ao veterinário Divulgação
Mais leis de proteção aos animais na Assembléia do Rio Reprodução/Eddie Galaxy

Comentários