Advogada Luciana GouvêaDivulgação

Rio - "Peguei um empréstimo no banco e estou com receio, pois sinto que a dívida cresce com os juros. De que forma posso negociar com o banco? Posso renegociar essa dívida?" (Alessandra Meneses, Rocha Miranda, Rio).

É comum as pessoas contratarem empréstimo sem se dar contas das taxas de juros. A advogada Luciana Gouvêa reforça que os juros compostos cobrados nos empréstimos feitos pelos bancos aumentam exponencialmente o valor. Diante disso, é importantíssimo verificar sempre o efetivo valor que será pago. Olho vivo no custo efetivo total (CET), soma do número de prestações e as despesas da operação de empréstimo contratado.
Se o empréstimo ficou caro, negocie o pagamento da dívida com o próprio banco ou a portabilidade da dívida para outra instituição que cobre menos juros. Atenção às “pegadinhas” nas contratações dos novos empréstimos. É preciso verificar se a renegociação é de fato vantajosa, analisando as novas condições do contrato, de acordo com o CET calculado: multas e penalidades por atraso no pagamento, renovações automáticas, responsabilidades, direitos e garantias, além dos motivos e formas de encerramento do novo contrato.
Se nada disso der certo, ainda é possível recorrer ao judiciário para abertura de processo para repactuação das dívidas, com base na nova Lei do “Superendividamento” (14.181/21) para garantir um valor “mínimo existencial” a você, salienta o coordenador do serviço www reclamar adianta com br, advogado Átila Nunes. Receba orientação gratuita no site do Reclamar Adianta.
Casos Resolvidos: Paulo Machado (Bradesco), Irene Garcia (Santander), Carol Nunes (Pag Seguro).

Fale com nossos advogados: [email protected]
WhatsApp: (21) 99328-9328