Bloco das Carmelitas tem tradição e criatividade dos foliões em Santa Teresa

Fantasias de freiras se misturaram a novas tendências, que misturam críticas e adereços complementares

Por *Felipe Gavinho

Carmelitas desfilou pelas ruas de Santa Teresa
Carmelitas desfilou pelas ruas de Santa Teresa -
Rio - Como manda a tradição, o Bloco Carmelitas desfilou mais um ano repleto de foliões vestidos de freira, em Santa Teresa. Há 30 anos, desde a criação do bloco, o costume pela fantasia prevalece. Nesta sexta-feira, 18 mil pessoas compareceram ao cortejo.

A explicação se dá por meio de uma história contada por um morador do bairro que revela ter visto uma freira pular o muro do convento para se misturar com os foliões. A partir desse conto, são realizados dois desfiles: um na sexta e outro na terça-feira de Carnaval. A intenção do segundo bloco é fazer com que a freira volte ao convento sem chamar atenção, já que muitos foliões estarão com o mesmo traje e, dessa forma, será difícil identificá-la.

Galeria de Fotos

Os amigos mostraram criatividade e também coragem para 'saborear a água que passarinho não bebe' Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agencia O Dia
Carmelitas desfilou pelas ruas de Santa Teresa Gilvan de Souza / Agência O Dia
Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agencia O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia
Criatividade e tradição andaram juntas no Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza / Agência O Dia


Porém, o Carmelitas desse ano não foi composto apenas por freiras. A criatividade reinou e muitas outras fantasias foram vistas no bloco de Santa Teresa. Alguns foliões resolveram criticar a qualidade da água da Cedae, outros fizeram fantasias complementares como a de um homem que estava vestido de bonde de Santa Teresa e a mulher de Arcos da Lapa. Houve também um rapaz que aproveitou a fama de um dos principais patrocinadores do Carnaval carioca e produziu uma camisa escrita "Me ame", oferecendo kissback, isto é, beijo de volta.
Também tiveram pessoas que resolveram aproveitar a época da folia para fazer um dinheirinho a mais. Foi o caso do Bruno Cézar que estava oferecendo fotos polaroids com o seguinte cartaz: “Revele sua foto na hora e eternize seu Carnaval com polaroids".

Segundo o fotógrafo de 26 anos, a época da folia é um período em que dá pra fazer uma boa grana extra. "Eu aproveito e faço do Carnaval mais uma fonte de renda pra mim. Cobro uma foto por R$ 20 e duas por R$ 30, mas sempre rola aquela promoção para quem está com o dinheiro contado", revela o fotógrafo. O morador de São Gonçalo ainda diz que pretende frequentar três ou mais blocos por dia. "Minha expectativa é fazer, no mínimo, uns R$ 200 por dia", concluiu Bruno.

Carlos Augusto, morador de Santa Teresa, foi outro que já está usando o Carnaval para lucrar. O professor de 65 anos mora exatamente na rua em que o Bloco Carmelitas desfila e resolveu cobrar R$ 10 pelo banheiro limpo de sua casa para os foliões que querem fazer suas necessidades com o maior conforto e privacidade. E o melhor: a pessoa ainda ganha uma cerveja na saída! "O preço é meio caro mesmo, mas os turistas pagam. Para eles, é como se fosse US$ 2 a ida ao banheiro mais uma cerveja", conta o professor.
Experiente, Carlos revela qual o horário de pico da utilização de seu banheiro. “Por volta das 17h a gente faz muita grana. Essa é a hora em que a galera que está bebendo desde cedo começa a ficar super apertada”, gargalha o morador de Santa Teresa.
*Estagiário sob supervisão de Thiago Antunes

Brincadeira na folia alternativa

Nem todos os foliões pregam pelo tradicional no Carnaval. No Rio de Janeiro, o número de blocos alternativos cresce a cada ano, e garantem a diversão com muita energia. Ontem foi o dia do Vítimas do Orgasmo, bloco LGBT que movimentou a Praça XV, no Centro do Rio.

Jhonathan Pinheiro, de 29 anos, se mudou para o Rio há três dias, mas não perdeu tempo na hora de curtir. Ele se fantasiou de Manu Gavassi, cantora participante do Big Brother Brasil 2020, e vai escolher blocos em que se sinta acolhido. "Eu prefiro vir a esses blocos para me sentir mais seguro e incluso", comentou.

Já o casal Innez Wilms e David Keersmaekers vieram diretamente da Bélgica para pular o Carnaval de Rua do Rio. "Temos amigos de Londres, Bélgica e São Paulo que vêm para cá curtir. Eu adoro carnaval e quero me divertir e conhecer novas pessoas", afirmou Innez que, apesar da chuva, não deixou de se divertir.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários