Foliões aproveitam o Carnaval de rua e também fazem um dinheiro extra

Bebidas exóticas, comidinhas veganas e até borrifadas de purpurina. Tudo é um bom motivo pra faturar durante a folia

Por Felipe Gavino*

Bloco das Carmelitas
Bloco das Carmelitas -

Nem só de diversão e samba no pé é feito o Carnaval do Rio. A festa é também uma excelente oportunidade para empreender e, é claro, ganhar um dinheirinho extra. Não à toa, muitos foliões, além de curtirem os blocos espalhados pela cidade, têm se virado nos trinta e oferecido uma gama variada de produtos e serviços. Há desde vendedores de batidas caseiras e sanduíches veganos a borrifadoras de purpurina, entre outros.

Os pequenos empreendedores, aliás, são facilmente reconhecidos. E não foi diferente, ontem, no desfile do Bloco Bangalafumenga, no Aterro do Flamengo. Arthur Costa, por exemplo, levou uma novidade para o Carnaval carioca — o gincolé. Trata-se de um sacolé de gin nos sabores limão siciliano com hibisco e limão taiti com hortelã ou alecrim. Segundo o advogado de 28 anos, é importante se adaptar ao que está na moda no momento para fazer dinheiro na festa. "Em 2018, a bebida da moda era a catuaba. Ano passado foi a corote. Neste ano é o gin", conta.

Já Caetano do Engenho tem aproveitado o Carnaval para vender, junto com o filho Diogo, batidas artesanais. A bebida é oferecida nos sabores pêssego, limão, uva, abacaxi e manga. Além disso, a dupla disponibiliza copos de tamanhos variados para atender à sede de todos os foliões. E Caetano revela que a batida tem feito bastante sucesso. "A gente tem vendido cerca de 24 litros por dia", comemora.

Não muito distante da dupla, a estudante Ananda Neves, de 20 anos, leva como opção para os blocos um lanche vegano. Segundo ela, é o mesmo hambúrguer que ela vende durante todo o ano na faculdade. Ela, contudo, admite que durante os dias de folia, as vendas aumentam consideravelmente. "O Carnaval é quando eu consigo faturar além do que eu costumo ganhar por mês", compara.

Outro folião que trabalha no ramo de bebidas é Thiago Collares, que percorre os mais diferentes blocos da cidade para oferecer o drinque Refil da Alegria — é vendido em diversos sabores, entre eles limão e mate. "Se a gente vender os 90 litros de bebida que trazemos pro bloco, conseguimos fazer em um só dia R$ 1,8 mil", entrega ele.

*Estagiário sob supervisão de Luiz Almeida 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Bloco das Carmelitas Gilvan de Souza
Dia de blocos no Centro do Rio com ambulantes empreendedores. Na foto,o advogado Arthur Costa, no Bloco Bangalafumenga Estefan Radovicz
Thiago Collares e Thiago Ribeiro vendem o drinque Refil da Alegria em sabores variados. Já a universitária Ananda Neves, que já vende sanduíches veganos na faculdade, aproveita a festa para oferecer o lanche durante o Carnaval Estefan Radovicz / Agencia O Dia
Dia de blocos no Centro do Rio. No Aterro do Flamengo, se apresentou o Bangalafumenga. Na foto, vendendo Drinks, Refil da Alegria,(esquerda)Thiago colares. Estefan Radovicz / Agencia O Dia
Pai e filho fazem batida caseira em diversos sabores e conseguem vender até 24 litros em um único dia Estefan Radovicz / Agencia O Dia

Comentários