Por fabio.klotz

Rio - Caçula do NBB ao lado do Macaé, o Goiânia vem "aprontando" no torneio. O clube engatou uma sequência de três vitórias seguidas (Basquete Cearense, Uberlândia e Franca) e mostra evolução. Atualmente, ocupa o sétimo lugar, com um aproveitamento de 50%.

Márcio de Andrade projeta um Goiânia mais forte nas próximas rodadasDivulgação

"Nossa equipe é guerreira. Essa será a tônica do time. Estamos evoluindo, ganhando ritmo de jogo e entrosamento. As coisas estão acontecendo. Temos jogadores rodados. Perdemos um pouco nas trocas, temos um plantel reduzido. Alguma hora o time ia se acertar e a vitória chegaria. Foram duas vitórias fora de casa. Podia ter sido mais uma, sobre o Macaé, mas infelizmente não aconteceu. A equipe de Macaé jogou muito bem. Nossa equipe tem sido valente", analisa o técnico Márcio de Andrade.

Um dos segredos da boa fase do Goiânia é o ala uruguaio Emilio Taboada. Ele tem média de 20 pontos por jogo. E ainda ajuda com duas assistências por partida.

"O aproveitamento dele é algo fantástico. A equipe está sabendo jogar com ele, como achá-lo. Ele é um grande finalizador. Está empenhado em jogar e fazer a equipe jogar. Não é um cara egoísta, ele se doa para a equipe e tem uma liderança positiva", elogia Márcio.

Taboada vem sendo 'o cara' do Goiânia no NBBDivulgação

Depois de bater o vice-campeão Uberlândia e vencer Franca, ambos fora de casa, o Goiânia tem mais uma pedreira pela frente e recebe o Brasília, quinta-feira, às 16h15.

"Vai ser difícil. Pelo menos vamos jogar no nosso ginásio, na reinauguração da nossa casa, um templo do basquete goiano. Queremos proporcionar um grande espetáculo. Não vai faltar luta, determinação. Sabemos da grandeza do Brasília, mas nossa equipe já tem algumas situações planejadas e vamos para cima deles. Lógico, acredito que o favorito é o Brasília. Nossa equipe quer ganhar, mas tem plena consciência da nossa limitação e da força de Brasília", diz o técnico.

O bom momento não tira o foco de Márcio de Andrade.

"É prematuro falar em playoff. É preciso ter os pés no chão, continuar o trabalho com toda a nossa dificuldade e depois pensar mais lá na frente. Nossa preocupação número um é nos mantermos na próxima liga, ficarmos fora da zona de rebaixamento. A partir daí pensaremos em playoff. Uma coisa de cada vez. O NBB é longo", afirma o técnico, que ainda corre de reforços:

"O ideal seria ter mais dois jogadores. Nosso orçamento é pequeno. Vamos buscar um jogador mais interno, com mesma característica do André, que seja um 4 (ala-pivô) com mobilidade, que saiba chutar. Não posso perder essa característica de jogo que criamos. De repente, com um jogador plantado podemos perder um pouco do jogo aberto, que dificulta as defesas. Temos de ter cuidado para achar este jogador. Atleta estrangeiro tem a questão da documentação, que demora a jogar, e o mercado nacional tem poucas opções", encerra.

Você pode gostar