Mais Lidas

Ricardinho tem nova meta: quer alcançar as 13 mil vitórias

Jóquei, maior vencedor da história do turfe mundial, é incansável na corrida para superar marcas

Por HUGO PERRUSO

Ricardinho é o recordista mundial de vitórias
Ricardinho é o recordista mundial de vitórias -

Rio - Aos 57 anos, o jóquei Jorge Ricardo, o Ricardinho, não se cansa de vencer. Recordista de vitórias no turfe mundial, com 12.920, ele continua com a mesma vontade de quando começou, aos 16 anos, e segue em busca de novas metas. Além de aumentar a sua marca, o número mágico da vez é o de 13 mil.

"A ideia por agora é chegar a 13 mil vitórias. Se possível, aumentar o máximo que puder até o momento em que resolva não montar mais", afirmou Ricardinho, que amanhã será homenageado no Hipódromo de Chantilly, na França, pelo recorde mundial.

"A homenagem é uma honra. Isso é de uma grandeza e significado muito importante. Acho que ser reconhecido internacionalmente é algo importante e bonito para qualquer profissional", diz.

Inicialmente, Ricardinho dizia que só iria se aposentar quando retomasse o recorde mundial. Isso aconteceu em fevereiro de 2018, no Jockey Club da Gávea, quando superou o canadense Russel Baze (12.844 vitórias). Mas a paixão falou mais alto e o brasileiro continuou competindo nos hipódromos de Buenos Aires, na Argentina, onde mora. E assim aumentou ainda mais a sua marca.

"Tudo na vida é possível, pode ser que um dia alguém consiga bater o recorde de vitórias. Eu acredito que vai ser difícil, ainda mais nos tempos competitivos de hoje. Não é fácil chegar a esse número. Eu nunca imaginei que alcançaria. Acho que vai levar um tempo para alguém chegar nele".

Com sede de vitórias sempre que monta no cavalo, Ricardinho foi o primeiro jóquei a alcançar 10 mil triunfos (em 2008), mas uma queda em 2009 e posteriormente um linfoma o fizeram perder o recorde. Foram sete meses de recuperação do câncer acompanhando o rival canadense Russel Baze abrir vantagem. A disputa particular entre os dois seguiu ferrenha e durou até fevereiro de 2018, quando o brasileiro finalmente ultrapassou o canadense, já aposentado.

"É uma doença que você nunca sabe o que pode acontecer: qual o tempo de recuperação ou como vai ficar depois disso. Mas nunca me passou pela cabeça deixar de correr, e sim superar para voltar a correr e reconquistar o recorde. No momento da doença, eu liderava o ranking de vitórias. Pude voltar, recuperando aos poucos a forma física. Nunca me passou pela cabeça que eu não pudesse voltar a brigar pelas vitórias", disse.

Há 41 anos disputando páreos pelo mundo além do Brasil e da Argentina, já correu no Peru, Uruguai, Chile, EUA, França e Reino Unido , Ricardinho ainda não sabe quando vai parar. Mas admite que o momento está chegando e pode ser no fim deste ano ou no próximo.

"Ainda não estipulei o tempo. Eu me sinto muito bem e em forma. Sei que vai chegar o momento. Não sei dizer se é esse ano ou no próximo, estou vendo conforme o passar dos meses, mas vai chegar a hora de dizer 'basta'. Vai ser um dia triste. Se eu pudesse continuaria por toda a minha vida", revelou o jóquei, que resumiu o porquê de ainda estar montando e competindo.

"O que me move a seguir é o amor pela profissão, a paixão pelo esporte. Enfim, é o que eu gosto de fazer. Como eu sempre digo, um dos dias mais tristes da minha vida será quando eu parar de competir", completa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários