Cannavaro pede união na Itália e admite: 'Pensei que era apenas uma gripe. Estávamos errados'

Ex-zagueiro alertou para necessidade de o país se unir em um momento tão delicado

Por O Dia

Reprodução / Twitter
Reprodução / Twitter -
Rio - Campeão do mundo pela Itália e atual técnico do Guangzhou Evergrande, da China, onde começou a doença, Fabio Cannavaro escreveu uma carta aberta aos italianos para falar sobre as consequências da pandemia do coronavírus.
Na carta, o ex-zagueiro alertou para a necessidade de o país se unir em um momento tão delicado, fazendo um paralelo com o título da Copa do Mundo de 2006, quando foi eleito o melhor jogador do mundo. Cannavaro também reconheceu o erro de subestimar o vírus. 
"Infelizmente, a realidade é que nenhum de nós é o Super-Homem. Nenhum de nós é imune a esse vírus. No entanto, quando essa epidemia eclodiu na China, senti como se nós, italianos, pensássemos que estaríamos ok. Como se todos estivéssemos pensando: bem, pelo menos isso não vai me afetar. Eu certamente subestimei isso. No começo eu pensei que era apenas uma gripe. Como estávamos errados", disse o ex-jogador de 46 anos.
Confira abaixo a carta na íntegra:

"Para todos de casa,

O que está acontecendo com o nosso país agora está me enchendo de ansiedade e dor. Não posso descrever como é horrível ver a Itália sofrer assim, ver tantas vidas perdidas a cada dia. Meu coração está com todas as pessoas que foram afetadas e especialmente com as que perderam alguém com quem eram próximas.

Eu também quero saudar os médicos trabalhadores que estão dando duro para salvar quantas vidas for possível. Vocês são os verdadeiros heróis que nosso país precisa agora.

Infelizmente, a realidade é que nenhum de nós é o Super-Homem. Nenhum de nós é imune a esse vírus. No entanto, quando essa epidemia eclodiu na China, senti como se nós, italianos, pensássemos que estaríamos ok. Como se todos estivéssemos pensando: bem, pelo menos isso não vai me afetar.

Eu certamente subestimei isso. No começo eu pensei que era apenas uma gripe. Como estávamos errados.
Pelo menos fechamos o país e ordenamos que as pessoas ficassem em casa. Aqui na China, onde tenho treinado o Guangzhou Evergrande, entrei em quarentena há algumas semanas. As pessoas aqui já tinham lidado com a SARS, então sabiam o que fazer. Na Itália, nunca tivemos uma emergência como essa.

Mas agora que estamos no meio dessa batalha devemos lutar juntos. E isso significa trazer as melhores versões de nós mesmos.
É claro que todos sabemos que a Itália é um país incrível. Temos praias deslumbrantes nas costas e uma paisagem pitoresca. Temos um clima que nos permite passar muito tempo ao ar livre. Temos moda, temos comida. Mas a vida na Itália é tão boa que às vezes tendemos a descansar sobre os louros. Às vezes, cuidamos de nossas próprias coisas em vez de pensar no bem comum. E, quando fazemos isso, estamos desperdiçando nosso potencial.

Felizmente, no entanto, também há momentos em que realmente decidimos mostrar nosso orgulho - e esses momentos tendem a ser quando as coisas ficam difíceis. Quando há algo importante em jogo.

Eu já experimentei isso muitas vezes, e os melhores exemplos que me vêm à mente são quando a Itália joga na Copa do Mundo. Talvez isso pareça algo estranho de se mencionar em um momento em que os esportes parecem mais triviais do que nunca. Mas como todos sabemos, o futebol é mais do que apenas um esporte na Itália. Quando a seleção joga, todos se sentem parte disso. Todo mundo vem junto.

E, quando os italianos se reúnem, tendemos a fazer bem.

Ainda me lembro de assistir a Itália vencer a Copa do Mundo de 1982. Eu era apenas uma criança de oito anos em Nápoles, minha cidade natal, assistindo aos jogos com um monte de pessoas nas casas de parentes e amigos. Lembro que, quando a Itália marcou, gritávamos e nos abraçávamos, apesar de nem todos nos conhecermos.

Quando fui capitão da seleção na Copa do Mundo de 2006 vi algo semelhante acontecer com os jogadores. O escândalo do Calciopoli estourou pouco antes do início do torneio, então, quando nos reunimos para nos preparar, estávamos todos no limite. Muitas pessoas pensaram que o escândalo nos distrairia.

Mas o clima na concentração era sempre bom, e essa era a chave. Em um momento tão crítico, não apenas cuidamos de nós mesmos. Nós nos preocupamos com todo mundo. Também tivemos um grande líder em Marcello Lippi, que manteve a harmonia e a motivação do grupo. Assim que desembarcamos na Alemanha praticamente esquecemos o escândalo e mal podíamos esperar para jogar.

As pessoas sempre me perguntam por que a Itália venceu a Copa do Mundo. Não vencemos porque tivemos sorte. Vencemos porque tínhamos o melhor time - e porque acreditávamos que venceríamos. Neste momento, precisamos do mesmo espírito de união inquebrável como um país.
Já vimos alguns grandes exemplos de solidariedade. A frase andrà tutto bene - ficará tudo bem - é uma mensagem de apoio àqueles que estão presos em casa, aos que estão assustados, solitários ou deprimidos. As pessoas saíram em suas varandas para aplaudir nossos trabalhadores médicos. Os vizinhos cantaram músicas juntos. Este é o tipo de união que precisamos.

Quando esta crise acabar, a Itália será diferente. Muitos terão perdido empregos. Alguns terão perdido negócios. Haverá muito trabalho duro a fazer. Só podemos esperar que uma vacina seja disponibilizada o mais rápido possível para que possamos acabar com esse pesadelo de uma vez por todas.

Até lá, precisamos apenas nos aprofundar. Então, vamos ficar em casa e passar um tempo com nossas famílias, e vamos tentar ter contato direto com o menor número possível de pessoas.

E também vamos tentar fazer o que pudermos para o bem comum. Da minha parte, iniciei uma angariação de fundos junto com meus companheiros de equipe da Copa do Mundo de 2006. O dinheiro irá para a Cruz Vermelha Italiana e será usado para abastecer hospitais da Itália com o que for necessário para combater o vírus. Espero que você se junte a mim para fazer uma doação.

E, se você não puder, um simples ato para o seu vizinho também pode percorrer um longo caminho também. Todos devemos lembrar que esta batalha é um esforço de equipe e que precisamos que todos participem.

Claro, é verdade que nenhum de nós é o Super-Homem. Mas, quando estamos juntos, podemos conseguir qualquer coisa.
Permaneçam fortes, meus irmãos e irmãs.

Atenciosamente,

Fabio Cannavaro"

Comentários