Adriano Imperador em ação pela Inter de Milão - AFP
Adriano Imperador em ação pela Inter de MilãoAFP
Por O Dia
Rio - Um dos momentos mais dolorosos na vida de Adriano Imperador foi o falecimento de seu pai, Almir Ribeiro, no ano de 2004, quando o atacante vivia ótimo momento com a camisa da Inter de Milão. Após a perda, o atacante teve uma sequência inconstante na carreira e encerrou a carreira em 2016, no Miami United.
Adriano falou sobre esse duro momento em um texto publicado pelo site oficial da Inter de Milão na série criada pelo clube chamada de "Cartas para a Inter".
Publicidade
"Eu estava no ônibus com meus colegas de equipe e meu celular tocou: "Almir está morto". Eu pensei que era um pesadelo. Eu esperava que fosse. Não posso descrever meu desespero naquele momento. Nunca senti uma dor tão insuportável na minha vida. Tudo o que senti foi uma angústia sufocante. Só eu sei o quanto sofri. A morte do meu pai deixou um vazio irreparável na minha vida."
Logo após a perda, Adriano disse que foi na partida seguinte, pela Liga dos Campeões, diante do Basel, que sentiu-se apoiado e consolado por seus companheiros de equipe na comemoração de seu gol.
Publicidade
"Eu ainda lembro o apoio dos meus companheiros de time. A Inter esteve muito perto de mim nos momentos mais difíceis da minha vida. (Massimo) Moratti foi como um pai pra mim. Não só ele, mas também o Zanetti e outros que eram mais próximos. Eu sou extremamente grato a todos porque eu vou carregar essas memórias comigo para sempre."
O ex-jogador formado na base do Flamengo ainda contou no texto uma informação bastante curiosa: no início, ele achou que o apelido de Imperador dado pela torcida da Inter fosse algo negativo:
Publicidade
"No começo, não achei que eles gostassem de mim quando me chamaram assim. E foi bom descobrir gradualmente o carinho dos fãs da Inter por mim. Sempre me senti em casa em Milão: meu amor pela Inter é para sempre. A Inter é uma grande parte de mim, está entrelaçada com a minha vida, iluminando os momentos mais bonitos e me acompanhando pelos mais tristes e difíceis."