Barroca - Vítor Silva/Botafogo
BarrocaVítor Silva/Botafogo
Por Lance
Rio - Eduardo Barroca está de volta ao Botafogo. Com passagem de destaque pelas categorias de base e no profissional em 2019, o comandante foi apresentado para a segunda passagem pelo Alvinegro neste sábado, na sala de imprensa do Estádio Nilton Santos.
"Estou muito feliz com a oportunidade de estar aqui mais uma vez. Todos sabem que minha ligação com o Botafogo nunca foi apenas profissional, tem uma ligação afetiva. Aproveito essa fala inicial a fazer um agradecimento ao Paulo Carneiro, presidente do Vitória, que entendeu minha decisão de ter vindo ao Botafogo. Agora, à frente do Botafogo, assumo uma responsabilidade frontalmente para, todo o corpo funcional e a direção do grupo e jogadores, para que a gente possa reverter uma situação adversa no momento e possa atingir o objetivo de permanência e planejar um 2021 mais cristalino", comemorou.

Na 19ª colocação do Campeonato Brasileiro, o Botafogo vive uma situação dramática contra a zona de rebaixamento. Mesmo assim, Eduardo Barroca não pensou duas vezes antes de aceitar o desafio para retornar ao clube de General Severiano.

"Primeiro, é o meu sentimento pelo clube. Minha relação com o Botafogo nunca será profissional. E eu acredito no Botafogo, trabalhei com mais de 80% no grupo. Eu queria estar aqui, me sinto bem dentro do clube, tenho certeza que o sentimento dos jogadores é recíproco. Juntando tudo isso não tem outro caminho a não ser assumir esse compromisso de frente", completou.

Com uma semana livre para treinamentos, Barroca já realizou a primeira atividade como novo treinador neste sábado. O comandante afirma que, em um momento de turbulência, precisa blindar o clube de tudo que venha de forma negativa de fora.

"Vou pautar esse primeiro momento em alguns critérios bem claros. Vou ter sete dias para treinar a equipe para o primeiro jogo. Estou vindo aqui com três objetivos: blindagem externa. Desde que eu acertei minha vinda para cá eu vejo uma órbita externa muito negativa e eu preciso blindar isso, os jogadores precisam trabalhar sem isso. O segundo ponto é entregar qualidade de trabalho e dedicação plena, seremos pautados em cima de critérios e coerência. O terceiro, e principal, será restabelecer um critério de confiança. Se não trabalhamos com confiança e alegria, a gente não consegue trabalhar na nossa plenitude", analisou.

O treinador também tocou no ponto de estimular os jogadores. Para ele, é importante que o jogador enxerque eu existem diferentes competições dentro do próprio clube. Barroca afirmou que tentará colocar isso na cabeça de todos os atletas.

"O jogador de futebol tem três competições que precisa superar. A primeira é a dele com ele mesmo, ele precisa superar os números dele dia após dia, isso é responsabilidade única e exclusivamente do jogador. A segunda é a competição interna, são os jogadores da mesma posição, é muito importante que a gente atinja um nível de competitividade alta e que o jogador que esteja em campo veja um atleta no retrovisor. O Babi precisa ter receio do Pedro Raul e o Pedro Raul precisa ter receio do Babi, vou estimular isso em todos eles. A terceira é o dia de jogo, os nossos jogadores se sobreporem aos adversários. Vou ser um elemento que tudo que eu falei antes fique vivo e intenso", bradou.