Craque quer o Barcelona - AFP
Craque quer o BarcelonaAFP
Por O Dia
O duelo entre Paris Saint-Germain, campeão de seis das últimas sete edições de Ligue 1, e o Strasbourg, atual 18º colocado, tinha tudo para ser uma partida comum de início de campeonato. Muito possivelmente terminando com uma vitória protocolar da equipe parisiense, naturalmente favorita. Se não fosse a presença de Neymar em campo.

Xingado antes da bola rolar e acossado por faixas nas arquibancadas, o brasileiro voltou a jogar pelo time francês após quatro meses de muitas polêmicas e tentativas de deixar o clube. A resposta, no entanto, como não poderia ser diferente, veio da única maneira que o camisa 10 pode, e deve, dar: na bola.

O 0 a 0 se arrastava no Parque dos Príncipes, quando, de canhota, de costas, Neymar decidiu com o brilhantismo costumeiro. Uns vão chamar de bicicleta, outros de puxeta, alguns de voleio, mas a palavra unânime que sintetiza o momento ali registrado é o tradicional e afetuoso golaço.

Alguns que vaiavam, se renderam aos aplausos. Outros mantiveram os gritos, é verdade, mas certamente voltaram pra casa repensando se valem a pena.

Pelo o que faz em campo, é uma questão de tempo até Neymar reconquistar Paris. Mas só ali dentro, onde suas respostas são maiores que as perguntas, é que o craque é capaz de provocar essa mudança.