Fluminense vive situação oposta à de 2009

Ao contrário do 'Time de Guerreiros', atual elenco teme estabelecer marca negativa

Por

Marcelo Oliveira foi demitido do Fluminense
Marcelo Oliveira foi demitido do Fluminense -

Rio - Em grave crise financeira, com salários atrasados e muitos problemas políticos internos, o Fluminense chega à última rodada do Campeonato Brasileiro ainda correndo o risco de rebaixamento à Série B. Embora dependa somente das próprias forças para se manter na elite do futebol nacional, o 'Time de Guerreiros', famoso pela incrível arrancada em 2009, quando chegou a ter somente 1% de chance de se manter na Série A e conseguiu, vive uma situação oposta.

Na atual temporada, o Tricolor praticamente extinguiu o risco de queda à Segundona após vencer o Atlético-MG por 1 a 0, no Nilton Santos, gol de Luciano, na 30ª rodada. O problema é que, de lá pra cá, foram sete jogos, nenhum gol marcado e somente dois pontos a mais na tabela, em empates em pleno Maracanã diante de Sport e Ceará.

Patinando na reta final do Brasileiro, o Tricolor vem deixando os torcedores apavorados com o risco de degola, que se tornou real. Ao escapar em 2009, contrariando todos os prognósticos, o time alcançou seis vitórias e um empate nas últimas sete rodadas. O empate foi justamente contra o Coritiba, num confronto direto na capital paranaense na última rodada.

Agora, o time vive uma situação completamente diferente. Sem balançar a rede há sete jogos (cinco derrotas e dois empates), marca negativa na centenária história do clube, a distância para a zona de rebaixamento foi caindo rodada após rodada.

Amanhã, às 21h45, no Maracanã, o Tricolor tem um desafio diante do Atlético-PR para tentar chegar à final da Copa Sul-Americana. Como perdeu por 2 a 0 no jogo de ida, terá que vencer por três de diferença. Tarefa ingrata para um time que não balança a rede há sete partidas.

 

Comentários