Dor de cabeça de última hora para Fernando Diniz no Fluminense

A dois dias da estreia no Carioca, técnico fica sem Gilberto. Lateral direita será ocupada por Ezequiel

Por O Dia

Gilberto não joga desde 25 de agosto passado. Nos treinos, ele voltou a sentir dores no joelho esquerdo
Gilberto não joga desde 25 de agosto passado. Nos treinos, ele voltou a sentir dores no joelho esquerdo -

Frustração no Fluminense às vésperas da estreia no Campeonato Carioca. Sem atuar desde 25 de agosto, contra o Cruzeiro, pelo Brasileirão, ainda não será desta vez que o lateral-direito Gilberto voltará a vestir a camisa tricolor. Vítima de um edema ósseo, ele sentiu dores no joelho esquerdo e está fora da partida contra o Volta Redonda, amanhã, às 19h, no Maracanã. Com isso, o estreante Ezequiel ganhará uma chance do técnico Fernando Diniz.

Autor de seis gols e 34 jogos em 2018, Gilberto treinou normalmente com o grupo até segunda-feira, quando voltou a sentir a lesão, que, aliás, vinha desde antes do duelo contra o Cruzeiro — ele disputou três rodadas com dores no local. Desde então, o jogador tem feito um tratamento conservador, sob comando de Douglas Santos, à base de repouso e fisioterapia.

A cirurgia tem sido postergada, mas, caso se opte por ela, será necessário fazer um acordo com a Fiorentina, que emprestou Gilberto ao Fluminense. Ele havia retomado os treinos com bola desde o dia 9 de janeiro e a volta das dores na região é um duro golpe para o lateral e para o técnico Fernando Diniz, que, amanhã, comandará o Fluminense pela primeira vez em uma partida oficial desde que assumiu o comando do time.

Titular nos dois jogos-treino do Fluminense durante a pré-temporada, Ezequiel não vê a hora de entrar em campo e se diz preparado para substituir Gilberto à altura. Ele não esconde certa ansiedade, mas demonstra confiança em uma boa estreia com a camisa tricolor. Além da vitória, a meta é conquistar a confiança da torcida.

"A gente está falando de vestir uma camisa como a do Fluminense, de iniciar uma história aqui, um grande clube do nosso futebol, gigante. Claro que tem aquela ansiedade, é normal. Mas com o passar dos anos vamos administrando melhor essa ansiedade e principalmente usando ela para o lado bom. É uma responsabilidade vestir essa camisa. Vou me doar ao máximo", prometeu.

Nem o fato de o Volta Redonda ter mais tempo de treinamento que o Fluminense, e, teoricamente, estar melhor condicionado fisicamente, abala a confiança de Ezequiel.

"Vamos enfrentar clubes que já tem o elenco formado há mais tempo, que trabalham forte há muito mais tempo também. Sabemos disso tudo. Claro que não tivemos tanto tempo assim de treinamento, mas é normal do nosso calendário. Já sabíamos disso. Temos que nos doar, transpirar. É importante largar bem na temporada", avisou.

Comentários