Fluminense leva gol no fim, tropeça em casa com o Atlético-MG e se complica

Após abrir placar com gol contra de Patric, Tricolor joga muito mal na segunda etapa e sofre empate de Di Santo: 1 a 1

Por HUGO PERRUSO

Marcos Paulo celebra o gol do Flu, marcado pelo atleticano Patric (2), contra
Marcos Paulo celebra o gol do Flu, marcado pelo atleticano Patric (2), contra -
Rio - O Fluminense poderia ter uma vitória tranquila, ontem, no Maracanã, mas abusou da incompetência e foi castigado nos minutos finais. Com o decepcionante empate por 1 a 1 contra um Atlético-MG desinteressado, o Tricolor até saiu momentaneamente da zona de rebaixamento, mas se enrola cada vez mais no Campeonato Brasileiro. Agora, além de torcer contra o Cruzeiro — que pega o Avaí amanhã —, segue precisando de três vitórias, só que agora em cinco rodadas.
Sem Muriel e com Marcos Felipe, a postura do Fluminense no primeiro tempo ajudou a estreia do terceiro goleiro no ano. Com uma equipe ofensiva, o Tricolor ficou mais tempo no ataque e, seguro, sofreu poucos sustos atrás. Poderia ter resolvido a partida se tivesse aproveitado melhor os espaços deixados pelo Atlético-MG.
Logo aos 3, Cleiton fez grande defesa em cabeçada de Gilberto, mas o Fluminense não demorou para abrir o placar. Em bom trabalho coletivo, começando por desarme na defesa e troca de passes, Yony aproveitou falha de Réver e cruzou. Patric fez contra ao disputar a bola com Marcos Paulo, aos 15.
Contra um adversário bagunçado, o Fluminense tinha enorme espaço para jogar em velocidade, mas não soube aproveitar. Errando muito, o time só teve outras duas chances, mas Yony chutou mal. Por outro lado, Marcos Felipe foi pouco exigido e fez três defesas fáceis.
A tranquilidade do primeiro tempo deu lugar à tensão e à irritação no segundo. Com atuação oposta, o Fluminense voltou desatento, dando muito espaços e um jogo fácil ficou perigoso. O Atlético-MG assustou em dois chutes de fora de Bruninho e Di Santo.
Os espaços existiam, só que o Fluminense seguia errando tudo. Somente aos 18 levou perigo, com Cleiton abafando chute de Marcos Paulo após bate-rebate. Foi o único lance ofensivo decente do time, que se perdeu na partida e piorou demais após as duas mexidas táticas de Marcão.
Com o passar do tempo, a tensão aumentou. O Fluminense abdicou do ataque e o Atlético-MG, que quase não criou, chegou ao empate, aos 43. Num erro de marcação coletivo, Di Santo recebeu sozinho pela esquerda e marcou, silenciando o Maracanã. O Galo quase virou, mas no fim, sobraram irritação e vaias.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários