O último ato do Flu em mais um ano para ser esquecido

Contra o Corinthians, time de Marcão tenta salvar 2019 com uma vaga na Copa Sul-Americana. Basta vencer fora de casa

Por O Dia

Marcão no treino do Fluminense
Marcão no treino do Fluminense -

Salários atrasados, três técnicos, 48 jogadores utilizados, dois presidentes, briga contra o rebaixamento e nenhum título. O Fluminense encerra hoje, às 16h, contra o Corinthians, no Itaquerão, mais uma temporada para esquecer. Resta buscar pelo menos a última vaga da Copa Sul-Americana, algo que virou prêmio de consolação nos últimos anos e que pode ser alcançado com uma vitória ou até mesmo com derrota, desde que o Botafogo perca em casa para o Ceará.

Mesmo que alcance a vaga na competição continental, o Fluminense não apagará uma campanha que virou regra e não exceção nas últimas temporadas. Afinal, é o quinto ano seguido que termina o Brasileiro na parte de baixo da tabela (sexta vez em sete edições: apenas em 2014 ficou em sexto lugar). Com campanhas tão ruins, também não é surpresa que o Tricolor tenha, desde 2015, mais derrotas do que vitórias na competição nacional (16 a 11).

O mais preocupante é que o clube não está mal apenas em campo. Fora dele, a situação financeira segue complicada. Em mais um ano sem patrocinador master, com poucas receitas e muitas penhoras, o Fluminense atrasou os salários durante todo o ano. Completou três meses de dívida a jogadores e funcionários e a diretoria prometeu quitar um mês até terça-feira.

CAIO HENRIQUE DE SAÍDA

Com tantos problemas, o Tricolor verá uma debandada no elenco. Liberados na última sexta-feira, Agenor, Brenner e Guilherme foram os primeiros da barca que sairá lotada e contará até mesmo com nomes desejados para 2020, caso de Caio Henrique, cobiçado por outros clubes e emprestado pelo Atlético de Madrid. Segundo o site 'Uol', o lateral já está com negociação avançada com o Grêmio.

Outros jogadores também farão sua última partida com a camisa tricolor contra o Corinthians. João Pedro, vendido ao Watford-ING, e Gilberto estão de saída, e Danielzinho dificilmente renovará. Já Nino e Allan a diretoria ainda tem alguma esperança de mantê-los, assim como Yuri e Digão. Yony, com contrato no fim e suspenso, não jogará mais pelo clube.

Com tantas despedidas, resta o último ato ao elenco, que é garantir a vaga na Copa Sul-Americana após tantas dificuldades. "É muito importante essa vaga para nós e para a torcida. É um campeonato internacional, um título difícil, mas acessível. Vamos lutar", disse Luccas Claro.

Além do zagueiro, Igor Julião e Evanilson serão titulares, hoje, no Itaquerão, assim como Nenê, já que Dodi, Digão e Ganso estão suspensos, e Allan, com dor no pé direito, segue fora do time titular.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários