Relembrando a 'conquista da América', Carlos Germano exalta São Januário: 'É decisivo'

Campanha quase perfeita e conquista de um título histórico no ano do centenário

Por O Dia

Time do Vasco na 'Reconquista da América', a Libertadores de 1998
Time do Vasco na 'Reconquista da América', a Libertadores de 1998 -

Rio - O cruzmaltino comemora neste domingo o 20º aniversário da 'Reconquista da América', título da Libertadores de 1998, conquistado no ano do centenário do Vasco. Em uma campanha quase perfeita em São Januário, o time sofreu no início do campeonato, jogou três partidas seguidas fora de casa. Durante o mata-mata, os três campeões anteriores da competição estavam entre o clube e a final.

Se classificando para a Libertadores ao ser campeão brasileiro em 1997, o Vasco estava no Grupo 2, com o Grêmio, América-MEX e Chivas Guadalajara-MEX.

Com as três primeiras partidas fora de casa, a situação ficou difícil ao perder para o Grêmio e Chivas, além do empate com o América. Mas em casa o clube se recuperou e avançou para a próxima fase. Venceu o Tricolor gaúcho e o clube de Guadalajara, e teve mais um empate contra as Águias.

Nas oitavas de final, o time carioca bateu de frente com os três campeões anteriores da competição. Cruzeiro nas oitavas, Grêmio nas quartas e River Plate na semifinal.

O duelo contra os argentinos foi eternizado pela torcida vascaína nas arquibancadas do Brasil afora, e ficou também na memória de Carlos Germano, camisa 1 do time campeão.

"Praticamente a base do time do River Plate era da seleção argentina. Hoje, o treinador do River, o Gallardo, era o meia esquerda deles. Jogou Sorín, Ayala, jogou uma turma boa. E no ano anterior a gente havia perdido, lá no Monumental, por 5 a 1. Era o mesmo time. Foi realmente uma final antecipada, por tudo que envolveu esse jogo. Ainda bem que a gente conseguiu jogar em São Januário o primeiro jogo da semifinal", contou o ídolo em entrevista ao programa 'Expediente Futebol'.

Saindo invicto do mata-mata, vencendo todas as partidas em casa e empatando todas fora, o Vasco chegou até a grande final. Durante a decisão, o 'Caldeirão' gerou pressão a favor do Gigante da Colina. O estado estava tão lotado que o clube fez bonito e venceu o Barcelona de Guayaquil por 2 a 0.

"São Januário é sempre decisivo. Eu nunca vi São Januário tão cheio na minha vida. Fui criado lá dentro desde os 14 anos de idade, e eu nunca vi São Januário tão cheio”, relatou Carlos Germano, uma das peças chave do elenco de 98.

No jogo de volta, o Cruzmaltino derrotou os equatorianos novamente, e o título ficou conhecido como 'Reconquista da América' pelos torcedores, relembrando a conquista do Sul-Americano de Campeões, vencido em 1948 e reconhecido em 97 pela Conmebol como primeiro torneio continental.

Confira a campanha do clube na Libertadores de 1998:

Grêmio 1x0 Vasco da Gama – Porto Alegre

Chivas Guadalajara-MEX 1x0 Vasco da Gama – Guadalajara

América-MEX 1x1 Vasco da Gama – Cidade do México

Vasco da Gama 3x0 Grêmio – Rio de Janeiro

Vasco da Gama 2x0 Chivas Guadalajara-MEX – Rio de Janeiro

Vasco da Gama 1x1 América-MEX – Rio de Janeiro

Vasco da Gama 2x1 Cruzeiro – Rio de Janeiro

Cruzeiro 0x0 Vasco da Gama – Belo Horizonte

Grêmio 1x1 Vasco da Gama – Porto Alegre

Vasco da Gama 1x0 Grêmio – Rio de Janeiro

Vasco da Gama 1x0 River Plate-ARG – Rio de Janeiro

River Plate-ARG 1x1 Vasco da Gama – Rio de Janeiro

Vasco da Gama 2x0 Barcelona-EQU – Rio de Janeiro

Barcelona-EQU 1x2 Vasco da Gama - Guayaquil