Vasco perde em casa para o Goiás e se complica na Copa do Brasil

Cruzmaltino terá que vencer por dois ou mais gols de diferença em Goiânia para se classificar

Por MH

Mesmo marcado, Cano tenta a bicicleta - sem sucesso. O Vasco se complicou na Copa do Brasil
Mesmo marcado, Cano tenta a bicicleta - sem sucesso. O Vasco se complicou na Copa do Brasil -
Apático, o Vasco colocou um pé para fora da Copa do Brasil, ontem, em São Januário. A derrota por 1 a 0 para o Goiás — gol do zagueiro Sanches —, no duelo de ida da terceira fase, deixou Abel Braga e seus comandados em situação delicada. Agora, para não se despedir de maneira precoce da competição, o Gigante da Colina terá que vencer por dois gols de diferença na semana que vem, no Estádio Olímpico. Se devolver o 1 a 0, a decisão será nos pênaltis. O gol fora de casa não é mais critério de desempate.

O momento também é tenso para o técnico Abel Braga, que segue muito ameaçado no cargo. No próximo domingo, no Maracanã, o time volta a campo para o clássico contra o Fluminense pela Taça Rio. Outro resultado negativo pode decretar a queda do treinador.

Além de manter vivo o sonho do bi (faturou a taça em 2011), o Cruzmaltino sabe que o torneio é uma fonte de renda importante para amenizar a grave crise financeira. Pelas participações nas três primeiras fases, o Vasco já ganhou R$ 3,9 milhões. Se avançar à quarta fase, o bônus é de R$ 2 milhões.

Sem criatividade, só com Guarín para organizar o meio, o Vasco não ameaçou os visitantes, que foram mais perigosos. Aos 23,após tomar calor dos goianos, Cano marcou, mas a arbitragem viu mão do argentino e invalidou o gol. A resposta do Esmeraldino veio em seguida com um chutaço de Keko, de muito longe, acertando o travessão de Fernando Miguel. Aos 43 não teve jeito:o zagueiro Sanches abriu os trabalhos. O Caldeirão ferveu no intervalo, mas foi de raiva da torcida, que vaiou muito a equipe e Abel.

Pressionado, o Vasco voltou para a etapa final sem Guarín e Vinícius, com Juninho e Ribamar, respectivamente. A torcida, claro, não curtiu, mas a equipe teve outra atitude e a atmosfera melhorou. O estreante Benítez entrou para dar mais qualidade à criação, mas o argentino sentiu a falta de ritmo e pouco apareceu. Na base do abafa, o Gigante da Colina chegou com frequência ao ataque, mas não soube como furar a retranca bem armada e organizada pelo Goiás.