Pelo fim do rodízio no gol do Vasco

Preparador de goleiros, Carlos Germano não aprova as mudanças

Por pedro.logato

Rio - Cada chute ao gol é um tormento para os vascaínos, que estão cansados de ver erros em sequência dos goleiros do elenco. Em comum, Alessandro, Diogo Silva e Michel Alves não tiveram bom desempenho, falharam e sofrem com a desconfiança dos torcedores. Sem um nome de consenso, a incômoda dança das cadeiras embaixo das traves virou um problema crônico do Vasco e que tem atrapalhado o time.

Carlos Germano está preocupado com má fase de goleiros do VascoDivulgação

Sem solução a curto prazo, o problema preocupa a ponto de um dos camisas 1 da história recente do clube admitir que o momento não é bom. Hoje preparador de goleiros do Vasco, Carlos Germano crê que o melhor a se fazer é evitar o rodízio.

“Estamos sofrendo gols, e alguns são por falhas. Infelizmente pecamos por falhas individuais. Estamos tentando firmar um goleiro para terminarmos o Brasileiro com esse profissional. Essa oscilação no gol é ruim. Vivemos isso em 2008 e o final não foi feliz”, analisou.

A dor de cabeça vascaína não é de agora. Desde que Helton e Fábio saíram, no início do século, o Vasco vem sofrendo com goleiros. Nos últimos dez anos, o único a se firmar foi Fernando Prass, que ficou quatro anos no clube, mas nunca teve total confiança da torcida por conta de alguns erros.

Quando Prass foi para o Palmeiras em dezembro, o Vasco optou por manter seu reserva Alessandro, acreditando que conseguiria trazer Helton. O novo titular começou a temporada, mas o fraco desempenho o tirou do time. Depois Michel Alves ganhou a vaga, perdeu para Diogo Silva e retomou nas últimas rodadas do Brasileiro, mais por erros do companheiro do que por mérito próprio.

No elenco só sobrou Jordi, de 19 anos. O jovem se destacou na Taça BH e tem sido pedido pelos torcedores. Apesar de admitir a possibilidade, Carlos Germano pediu calma.

“Acho que o momento não é adequado para que ele seja lançado. O Jordi vai ter seu momento. Vamos conversar com a comissão técnica para ver qual a possibilidade de lançarmos o menino. Mas acho meio arriscado agora.”

Para 2014, é certo que haverá mais mudanças no gol vascaíno. O sonho continua sendo Helton, que foi procurado, mas não acertou no meio do ano. A esperança é grande de repatriar o ídolo.

Sem dinheiro, clube vende revelação

Sem ter conseguido liberar o dinheiro do patrocínio da Caixa (R$ 15 milhões) e parte da cota de TV, o Vasco se viu obrigado a vender uma de suas grandes revelações da base. Danilo, de 17 anos, foi negociado com um grupo de empresários portugueses por cerca de R$ 13 milhões e jogará pelo Braga. A proposta superou a do Liverpool.

Detentor de 60% dos direitos econômicos da revelação, o Vasco ficará com cerca de R$ 8 milhões. Danilo só deixará o clube em março de 2014, quando completará 18 anos.

O Vasco segue à espera das Certidões Negativas de Débito para ter o dinheiro de patrocínio e outras receitas liberados. O novo prazo é semana que vem.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia