Hora de Adilson definir peças no quebra-cabeça vascaíno

Treinador guarda o anúncio do time e gera ainda mais dúvidas com os vários testes em campo

Por pedro.logato

Rio - Formação com três atacantes, com William Barbio pela direita, Bernardo pela esquerda ou Thalles pelo meio. Escalação no 4-4-2, com Fellipe Bastos recuado ou avançado no meio ou com Aranda na cabeça de área. O técnico Adilson Batista testou várias alternativas ao longo da semana e agora não faltam opções para definir o time que vai encarar o Flamengo, no domingo, na final do Carioca. Um verdadeiro quebra-cabeça para escolher o substituto de Everton Costa, suspenso, e até mesmo do volante Guiñazu e do atacante Edmilson, que não treinaram e ainda são dúvida.

Enquanto Adilson garante que já definiu o time, em campo, no entanto, não há indicação de quem entrará em campo. Barbio parece ter saído na frente, mas o treinador teima em manter o mistério:

Adilson continua fazendo mistério no VascoVitor Silva / Agência O Dia

“Futebol a gente conhece. É grupo, rendimento, tem lesões e punições. Já estou criando alternativas para as possíveis ausências. Não vou ficar chorando dentro de casa. Eu trabalhei a parte tática quinta-feira. Foi bem feito e decidimos reduzir a carga nesta sexta para termos força suficiente no domingo. Já sei o que vou fazer.”

Se em campo não há dica, o jeito, então, é questionar diretamente o comandante para juntar as peças no tabuleiro. “Já sei que vocês (jornalistas) estão tentando escalar o time (risos)”, brincou. Thalles poderia atuar como ponta no lugar de Everton Costa?

“Eu não treinei o Thalles na ponta, então não posso cogitar isso. No entanto, já o escalei assim ano passado. Pode até ser. Vamos ver...”, despistou. Se Barbio e Thalles não forem os escolhidos, Fellipe Bastos surge como opção. E a versatilidade do volante, que tem um chute forte e já atuou de forma avançada na Ponte Preta, pode ser a peça-chave.

“Isso é o que a gente pensa. São situações que podem acontecer no jogo e com atletas com potencial na bola parada. Fellipe Bastos tem capacidade para ser primeiro e segundo volante, além de terceiro e até quarto homem de meio de campo. Ele fez isso na Ponte Preta e pode fazer novamente. Chega de ajuda, né?”, completou o treinador.

À ESPERA DOS TITULARES

Ainda com dores musculares, o volante Guiñazu e o atacante Edmilson nem sequer foram ao CFZ ontem e não participaram do treinamento. O técnico Adilson Batista, entretanto, afirmou que vai esperar pela dupla até o último momento.

“Vale esperar até o momento do aquecimento, como já aconteceu em outras ocasiões. Mas vou pensar no coletivo. Se sentir que a escalação vai prejudicar o time, não vou colocá-los”, afirmou Adilson, acrescentando: “Pelo o que ei conheço dos dois, acho que eles vão estar à disposição”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia