Cesta básica ainda fechada na mesa da casa de beneficiário: confusão sobre conteúdo das cestas ainda continua na cidade - Foto do leitor
Cesta básica ainda fechada na mesa da casa de beneficiário: confusão sobre conteúdo das cestas ainda continua na cidadeFoto do leitor
Por Jupy Junior
ITAGUAÍ – O governo do estado do Rio de Janeiro e a Prefeitura de Itaguaí pronunciaram-se nesta sexta-feira (26) a respeito das disparidades das cestas básicas do Mutirão Humanitário na cidade. O projeto é uma iniciativa do governo do estado em parceria com empresas doadoras dos alimentos, material de limpeza e artigos de higiene pessoal. A distribuição das cestas – no total de 10 mil - começou na última quarta-feira (24) mediante recebimento de mensagem de texto com informações sobre local e hora da entrega. Aptas a receber as cestas, pessoas inscritas no CadÚnico foram buscar a doação e repararam que os produtos não estavam condizentes com a lista divulgada pelo governo do estado no site do Mutirão Humanitário. Foi aí que tudo começou.
O DIA ouviu moradores de bairros distantes que apontaram as diferenças entre as cestas de Itaguaí em comparação a outros municípios. Nas redes sociais, muitos relatos de produtos faltando e quantidades menores. O governo do estado informou o motivo: a empresa State Grid, doadora das cestas, comprou em fornecedores diferentes. Por isso, alterou a lista publicada no site e anunciou que as cestas continham aqueles produtos.
Publicidade
Não foi o suficiente. Insatisfeitos, itaguaienses que pegaram as cestas apontaram produtos em pesos diferentes e ausência de itens, tais como linguiça, sardinha, achocolatado e leite em pó. Além disso, deram pela falta de artigos no kit de higiene pessoal, como escovas de dentes e dois sabonetes. Surgiu, então, a suspeita de violação das cestas.
A LISTA CERTA
A esse respeito, o governo do estado enviou a seguinte nota na tarde de hoje (26): “O Governo do estado se compromete a trocar as cestas que, porventura, estiverem avariadas, bastando o beneficiário voltar ao local de retirada”.
Publicidade
Vale dizer: quem pegou uma cesta sem os itens apontados na lista certa, deve voltar e pegar outra. A lista correta divulgada pelo governo do estado é: açúcar (2 kg), achocolatado, arroz (5 kg), biscoito doce, café (500g), farinha de mandioca (500g), farinha de trigo (1kg), feijão (1kg), fubá (1 kg), leite em pó (200g), linguiça (400g), macarrão (1 kg), molho de tomate, óleo (900ml), sal (1kg), uma lata de salsicha (300g), uma lata de sardinha (125g). Quanto ao kit de higiene, na mesma cesta: sabonetes (4 de 90g cada), escovas de dente (2), papel higiênico (4 rolos), pastas de dente de 90g cada (3 unidades).

A CONFUSÃO CONTINUA
Depois que O DIA mostrou o motivo pelo qual as cestas de Itaguaí eram diferentes e qual era a lista correta de itens que deveria constar na cesta básica, novos relatos apontam que as cestas estão longe de ter um padrão. Algumas pessoas receberam goiabada e refresco em pó (não constam da lista); outras não receberam biscoito doce, farinha de trigo, linguiça nem sardinha. Outras ainda receberam leite em caixa, quando a lista mostra leite em pó.
As quantidades continuam diferentes: as pessoas relatam que embalagens na lista que constam como 1kg na verdade foram incluídas na cesta com meio quilo (caso do fubá e da farinha de trigo). Itens que estavam faltando nas cestas entregues ontem (25), como escovas de dentes e quatro sabonetes (ao invés de dois), apareceram nas cestas de hoje, mas molho de tomates e achocolatado continuam ausentes.
Publicidade
A partir de fotos enviadas a O DIA e também vídeos, percebe-se inclusive diferença de marcas, como no caso do café, por exemplo.
De acordo com a nota oficial do estado, os moradores que pegaram uma cesta com itens diferentes da lista divulgada devem voltar ao local onde a pegaram e solicitar a troca.
Publicidade
PREFEITURA PUBLICA E ENVIA NOTA
A Prefeitura de Itaguaí usou o Facebook oficial para publicar uma nota a respeito do incidente com as cestas. Segundo o texto, a responsabilidade da prefeitura “limita-se à logística de entrega aos beneficiários”. A nota diz ainda que “o governo do estado já explicou em seu site o motivo da diferença entre o anunciado e o entregue à prefeitura para distribuir”. Continua a nota: “nesta enorme operação nos cabe armazenar, validar e efetuar a entrega, o que tem sido feito com extrema competência, lisura e transparência”. A prefeitura afirma também nesta nota que há dezenas de funcionários envolvidos na tarefa de disponibilizar os mantimentos e artigos de higiene para as pessoas, e que qualquer denúncia será averiguada imediatamente.
DETALHES LOGÍSTICOS
Em resposta ao questionamento sobre a suposta violação das cestas, a prefeitura, desta vez por e-mail, enviou texto que diz, em suma, o seguinte: “O estado acompanha todas as etapas. Quando há alguma cesta avariada, o estado a identifica. No total, já foram entregues mais de cinco mil cestas em Itaguaí, das quais a Prefeitura retornou ao Estado somente 100 unidades. Em cada etapa, há uma fiscalização: na saída do Riocentro, as cestas são conferidas pela equipe do estado. A primeira parada no município acontece no depósito, onde, após, os veículos são abastecidos rumo às escolas (pontos de distribuição). Quando chegam em Itaguaí, há primeira conferência realizada pela equipe da Prefeitura, acompanhada igualmente pelo Estado. Na abertura do processo (momento da entrega) há uma nova conferência, realizada por ambos os órgãos. Trata-se de uma operação casada. Ou seja, realizada pelo estado, mas com apoio da prefeitura. O representante do estado está sempre ao lado do representante do governo municipal”.
Publicidade
A empresa State Grid, doadora das cestas, não respondeu ao pedido de esclarecimentos enviados pela reportagem na quarta (24).