Álcool 70 para todo lado, higienização constante, distanciamento e máscaras: tudo preparado depois de mais de 100 dias de portas fechadas - Divulgação - Body Box, Invictus, BOx R21
Álcool 70 para todo lado, higienização constante, distanciamento e máscaras: tudo preparado depois de mais de 100 dias de portas fechadasDivulgação - Body Box, Invictus, BOx R21
Por Jupy Junior
ITAGUAÍ – Ainda era março quando Renan Lemos (Box R 21), José Marcelo Ribeiro (Invictus) e Luiz Marinho (Body Box) se reuniram e bolaram um projeto de aulas virtuais gratuitas para os alunos treinarem em casa durante a epidemia. Detalhe: o projeto contemplava mais ou menos 15 dias de restrições. Lá se foram mais de cem dias de pandemia e de academias e centros de treinamentos fechados, pessoas engordando demais para os seus próprios padrões ou perto de um colapso por causa da abstinência de exercícios. Mas, nesta semana, a prefeitura publicou um novo decreto (número 4484) autorizando a reabertura desses estabelecimentos. Então, tudo mudou de repente.
O DIA publicou há pouco tempo uma matéria sobre como professores e alunos de academias estavam se virando com as restrições sanitárias rigorosas em vigor. Na ocasião, todos concordaram que as alternativas a princípio pareciam úteis. O que faltou mesmo foi paciência e entusiasmo para malhar e treinar com o professor muito longe e os alunos muito perto das telas. Agora, isso não é mais necessário, pois academias e centros de treinamento estão novamente com seus espaços abertos, mas com muitas novidades para quem quer cuidar do corpo e da mente com toda a segurança necessária.
Publicidade
BODY BOX CT
O Body Box CT nasceu há quase um ano: a inauguração foi em setembro de 2019. O espaçoso centro de treinamento fica na rua Antônio Ferraz Viana, no bairro do Engenho, onde antes funcionava uma casa de shows. Luiz Marinho conta que o número de matriculados crescia em todas as modalidades (judô, jiu jitsu e Muay Thay, além de aulas de ritmos, jump, treino funcional, cross training e musculação), mas que a partir de março passou a acompanhar a evolução da pandemia no mundo com atenção. No dia 17, quando o primeiro decreto municipal de restrições sanitárias entrou em vigor, Marinho informou a todos os alunos que as mensalidades seriam trancadas e que o Body Box CT aguardaria tudo passar. Mas, é claro, tudo não passou (ainda).
Espaçoso, o CT Body Box, no Engenho, conta com a distância entre os alunos como uma das medidas de segurança contra o coronavírus - Divulgação - Body Box CT
Publicidade
Além de tentar manter o engajamento com atividades online, Marinho aproveitou o período de portas fechadas para fazer reformas. Mesmo com o novo decreto de liberação, nem todas as modalidades voltaram ainda: apenas cross training, musculação funcional e Muay Thay estão acontecendo.

“Na musculação, todos os aparelhos estão dispostos a obedecer um espaçamento de dois metros entre si. Nas aulas coletivas reduzimos a quantidade de alunos por aula e também o tempo de treino, para evitar aglomerações. Também passamos a disponibilizar papel para higienizar os equipamentos. O que ajuda é que nosso centro é o maior da cidade, com mil metros quadrados, arejado e sem paredes. Também fazemos treinos ao ar livre para evitar contaminação”, explica o empresário.
O Body Box CT reabriu na quinta-feira (29) e Marinho conta que não dispensou funcionários. Ao contrário: “Contratei mais uma recepcionista para agilizar o processo de entrada na academia sem formar filas, mais professores para aumentar as orientações nos exercícios e fiscalizar as normas em vigor, como o uso de máscaras, por exemplo; e mais uma faxineira para aumentar a limpeza e higienização do espaço”, garante ele.
Publicidade
INVICTUS
O centro de treinamento Invictus fica na rua Lea Cabral da Cunha, 157 – centro. A respeito da segurança de saúde nas academias, José Marcelo Ribeiro, o empreendedor do CT, tem a seguinte opinião: “Vemos filas em bares, restaurantes, lojas de utensílios, fast foods, shoppings, dentre muitos outros. Esses locais são mais seguros que uma academia ou CT? Acredito que a forma que nos adequamos seja muito segura para a prática de atividades físicas, ainda mais aqui na Invictus, com equipamentos de uso individual com quem ninguém precisa revezar”, explica.
No Invictus CT, que fica no centro de Itaguaí, álcool 70 não falta para a higienização constante das mãos e equipamentos - Divulgação - Invictus CT
Publicidade
Ribeiro também conta que o ambiente é favorável para a prática de esportes por conta das características do CT: “Nosso espaço conta com uma área com mais de 500 metros quadrados, muito ventilado e um pé direito bem alto. Temos também ampla área externa, onde ocorrem as atividades de cross training, treinamento funcional, HIIT, artes marciais e o cross kids”.
O Invictus CT voltou a abrir as portas obedecendo todas as normas impostas pelos órgãos da saúde. “Foram 132 dias de portas fechadas, tivemos que dispensar alguns funcionários nesse período para que não ficássemos ainda mais prejudicados. Mas contamos com nossos alunos, que se propuseram a abraçar a causa e colaboraram com um valor de taxa mínima para que pudéssemos arcar com as despesas básicas da empresa”, conta Ribeiro. Outra proposta do CT Invictus para diminuir um pouco o prejuízo foi alugar equipamentos para os alunos.
Publicidade
Na volta, além de muitos borrifadores de álcool 70 e higienização constante, o uso de máscaras e o distanciamento social são providências indiscutíveis nessa retomada das atividades.
BOX R21
O centro de treinamento Box R21 fica na entrada da área da Expo, no centro de Itaguaí. Renan Lemos, proprietário, conta que abriu o centro em 2018. Antes da pandemia, atendia até nove pessoas por hora, com cinco horários pela manhã e à noite. Em janeiro deste ano, atingiu a capacidade máxima de atendimento, mas a Covid-19 chegou logo depois, em março.
Publicidade
Com bastante espaço externo, o Box R21, na entrada da Expo, tem uma série de medidas de prevenção que impedem o contágio pelo vírus - Divulgação - Box R21
Depois de três meses apenas com aulas online para pagar as contas, as atividades físicas externas no Parque Municipal voltaram no meio do mês de julho. Em agosto, no dia 3, Lemos anuncia que vai retomar as atividades dentro do centro, mas com muitas mudanças: “A turma de nove alunos passou para quatro. Criei uma modalidade de treinos externos com até seis pessoas. Nas duas modalidades estamos respeitando o limite de mais de 6 metros quadrados por aluno. Não há revezamento de equipamentos e os alunos treinam de máscara. Tive que contratar mais um professor para dar essa segunda aula, e no momento minha capacidade é 30% menor do que antes da pandemia", explica o professor-empreendedor.
Publicidade
Também por causa do coronavírus, Lemos teve que se adaptar: “A pandemia me fez trabalhar no online, o que nunca tinha feito antes. E agora vou manter os atendimentos online de treinos em casa e treinos para se fazer em academia. No meu box, vou mudar o foco do atendimento, agora vamos trabalhar com treinos personalizados, voltados para ganho de massa muscular, reabilitação e aumento do desempenho físico para atletas. Treinos com grupos maiores vão ocorrer na área externa, com ênfase em emagrecimento e perda de gordura”, explica ele.
Sobre possíveis dúvidas relacionadas à segurança, Lemos responde: “É seguro sim. Cada aluno tem seu próprio equipamento e espaço de treino, sem revezamento. Ele limpa a área de treino antes e depois de ter usado. Tudo acaba sendo mais rápido e melhor. Os pontos de contato da pessoa com o ambiente e outras pessoas também são menores”.
Publicidade
No Box R21, há inclusive acompanhamento do aluno para checar se ele tem ou teve sintomas de Covid-19. É possível inclusive saber quem esteve no CT no mesmo dia que ele para que providências sejam tomadas, se for o caso.
NORMA DO CREF
A julgar pelas providências e cuidados, quem quiser voltar a mexer o esqueleto para perder as gordurinhas ou simplesmente arejar a cabeça já tão martelada pelo estresse da pandemia não precisa se preocupar tanto, caso faça a sua parte. Os empresários dos centros de treinamento entrevistados dizem que é inegociável seguir à risca as normas divulgadas pelo Conselho Regional de Educação Física (Cref1). O Conselho publicou ainda em abril uma lista de medidas a serem adotadas pelas academias e centros em relação ao Covid-19 que envolve desde como e onde fazer a higienização até que áreas dentro dos estabelecimentos devem ser interditadas ou demarcadas.
Publicidade
Para quem tem disposição, tempo, dinheiro e entusiasmo, o sinal é verde, mas os alertas são constantes.