Porto de Itaguaí passa por inspeção da Marinha para desinfecção com Quaternário de Amônio

Sanitização inclui prédio da administração, entrada principal, setor de permissão e prédio da Guarda Portuária

Por Jupy Junior

Funcionários do Porto e militares na inspeção: desinfecção de instalações a ser executada pela Marinha
Funcionários do Porto e militares na inspeção: desinfecção de instalações a ser executada pela Marinha -
ITAGUAÍ – A Marinha do Brasil inspecionou as instalações do Porto de Itaguaí nesta segunda-feira (14). A ação foi realizada pelo Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais, especializados em defesa nuclear, biológica, química e radiológica. O motivo da inspeção foi fazer um reconhecimento das áreas que vão receber, na quarta-feira (16), a aplicação de quaternário de amônio de quinta geração. A substância é um dos principais ativos que eliminam o vírus da Covid-19 e apresenta vantagens em relação ao hipoclorito de sódio pois é menos irritante, possui baixa toxidade e não é corrosivo, podendo ser utilizado em superfícies metálicas, além de não danificar os sistemas de pressurização dos equipamentos de aplicação. O quaternário de amônio é recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
A desinfecção, requisitada pela Companhia das Docas do Rio de Janeiro, é uma das ações adotadas pela companhia para a prevenção e combate ao vírus da Covid-19. A sanitização vai abranger uma área aproximada de 2.200m², que inclui o prédio administrativo e a entrada principal do porto, bem como o setor de permissão e o prédio da Guarda Portuária. Os militares farão ainda uma capacitação das equipes operacionais e técnicas sobre medidas de higienização dos ambientes.
Para a aplicação do produto, os militares adotam procedimentos de segurança, utilizando equipamentos de proteção individual (EPI) de dotação militar. Desde março, a Marinha do Brasil vem atuando na desinfecção de locais de grande circulação de pessoas como estações das barcas, de BRT, de trens e de VLT, além de algumas instituições públicas federais.

Comentários