Mais Lidas

Trump atacou para mostrar força a seus rivais nos EUA, diz porta-voz russa

A ação militar americana contra a Síria, foi qualificada como 'agressão' pelo presidente russo Vladimir Putin

Por lucas.cardoso

Moscou - A decisão dos Estados Unidos de atacar a Síria não responde a uma estratégia no Oriente Médio, mas sim uma tentativa de demonstrar força aos oponentes na guerra política em Washington após a chegada de Donald Trump à Casa Branca, disse neste sábado a porta-voz da Diplomacia russa, Maria Zakharova.

Os Estados Unidos lançaram cerca de 60 mísseis em direção a uma base aérea da SíriaEfe

O ataque de ontem contra uma base aérea da Síria "não tem nada a ver com a política de Washington no Oriente Médio, não é parte de uma estratégia, muito menos de um plano. Trata-se de uma demonstração de força dentro da disputa política interna nos Estados Unidos", ressaltou Zakharova em entrevista à televisão estatal russa. "É parte de uma luta de grupos da elite política e militar, que se envolveram em uma briga de vida e morte", acrescentou a diplomata.

A ação militar americana, qualificada de "agressão" pelo presidente russo Vladimir Putin, "deixou em evidência que os EUA são o Estado mais imprevisível, e se há algo previsível nos Estados Unidos, é o imponderável de sua política externa", afirmou Zakharova.

Para a diplomata, o que sim é previsível é a política externa de outros integrantes da Otan, "já que estes sempre seguiram o curso imposto a partir de Washington". Zakharova adiantou que o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, perguntará as razões do ataque a seu colega americano, Rex Tillerson, que visitará Moscou nos próximos dias 11 e 12.

"Vamos ouvir o que ele tem a dizer, vamos fazer perguntas. Acho que devemos ter compreensão dos processos que acontecem nos EUA, mas também temos que ressaltar que essas ações são inaceitáveis", indicou a porta-voz da Diplomacia russa.

Moscou insiste que o pretexto para a represália — a morte de mais de 80 civis na província síria de Idlib por um suposto ataque com armas químicas atribuído ao regime sírio — não se sustenta, assim como as intenções declaradas dos países do Ocidente de investigar a tragédia.

"O paradoxo é que, após exigir o envio de inspetores para revisar os aviões" que tinham bombardeado a cidade síria de Khan Sheikhoun, "atacaram (e destruíram) em seguida essas mesmas aeronaves que queriam inspecionar", explicou Zakharova.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia